Cidadeverde.com
Últimas

Pai e vizinho condenados por estupros de crianças são presos

Imprimir

Dois homens foram presos nesta quinta-feira(06), na zona rural de Cocal (a km de Teresina), condenados de estupro de vulnerável. Um deles, estuprou a própria filha, que na época tinha 11 anos de idade. O outro tentou estuprar a vizinha de dez anos.

O pai, de iniciais C.F.A, de 52 anos, foi preso na localidade Tucuns, onde estava escondido. Ele foi condenado a 11 anos e oito meses pela justiça da Comarca de Cocal. 

“Segundo a sentença, o réu, aproveitando-se da ausência da mãe da menor, constrangeu sua própria filha, contando apenas com 11 anos à época dos fatos, a com ele manter conjunção carnal. Para tanto, arrastou-a para um ambiente da casa, retirou sua roupa e cometeu o abuso sexual mediante força física e de seu poder familiar. Após consumar o estupro, C.F.A. ameaçou sua filha de morte se ela revelasse à sua genitora o que tinha acontecido”, destacou nota do delegado Fabio Behring, titular da delegacia de Buriti dos Lopes que ajudou na prisão. 

O outro caso, a sentença é de dezembro de 2011 e condenou o homem de iniciais E.I.G, 52 anos, que havia praticado tentativa de estupro contra uma criança de dez anos. Ele estava na localidade Boíba quando foi preso pelos policiais civis. 

De acordo com o delegado, ele não chegou a praticar o crime, porque uma vizinha viu e gritou. “Ele pulou a cerca do terreno para invadir o quintal da vítima, que estava sozinha no local. Ele puxou a blusa da vítima que tentou se defender, mas o réu a encostou em uma árvore e pôs a mão em sua boca para que não gritasse, depois baixou seu short até os joelhos e tentou tirar o short dela, porém apareceu uma vizinha, que gritou para que soltasse a menor e ele saiu correndo. O testemunho dela foi crucial para a condenação a pena de 08 anos e 02 meses de prisão”, destacou o delegado.  

Os homens foram encaminhados à Central de Flagrantes de Parnaíba, de onde serão transferidos para o sistema prisional, quando surgir vaga. 

“Eles estavam desempregados e não ofereceram resistência”, completou Fábio Behring. 


Caroline Oliveira
[email protected]

Imprimir