Cidadeverde.com
Geral

Profissionais do setor de eventos protestam pelo retorno das atividades

Imprimir
  • eventos_-21.jpg Roberta Aline
  • eventos_-20.jpg Roberta Aline
  • eventos_-19.jpg Roberta Aline
  • eventos_-18.jpg Roberta Aline
  • eventos_-16.jpg Roberta Aline
  • eventos_-15.jpg Roberta Aline
  • eventos_-14.jpg Roberta Aline
  • eventos_-13.jpg Roberta Aline
  • eventos_-12.jpg Roberta Aline
  • eventos_-11.jpg Roberta Aline
  • eventos_-10.jpg Roberta Aline
  • eventos_-9.jpg Roberta Aline
  • eventos_-8.jpg Roberta Aline
  • eventos_-7.jpg Roberta Aline
  • eventos_-6.jpg Roberta Aline
  • eventos_-5.jpg Roberta Aline
  • eventos_-4.jpg Roberta Aline
  • eventos_-3.jpg Roberta Aline
  • eventos_-2.jpg Roberta Aline
  • eventos_.jpg Roberta Aline

 

Profissionais do setor de evento realizaram uma manifestação em frente à Igreja São Benedito, Centro de Teresina, na manhã desta quinta-feira (27). Eles pedem que a prefeitura e o governo do Estado liberem a realização de eventos na capital. 

Segundo protocolo do governo do estado, o retorno estava marcado para o dia 08 de setembro, mas foi adiado para novembro. A categoria diz não poder esperar mais tempo, com risco de falências e demissões. 

A manifestação reuniu proprietários de Buffet, artistas, fotógrafos, garçons entre outros profissionais prejudicados com a proibição dos eventos devido à pandemia do novo coronavírus. Segundo eles, é possível o retorno desde que se cumpra um rigoroso protocolo de segurança. 

De acordo com Dielson Camargo, proprietário de buffet em Teresina, as empresas não resistirão a mais de seis meses parados. “Fizemos nossos últimos eventos em março. De lá para cá não temos nenhuma perspectiva. O poder público não olha com bons olhos para nós. Buscamos uma forma de retornamos com toda responsabilidade, com protocolos que serão criados e reformulados”, disse.

Dielson Camargo afirma que a categoria até agora não foi ouvida pela Prefeitura de Teresina. 

“Ainda não tivemos uma reunião, mas dará certo. Queremos criar os protocolos e partir daí, o próprio cliente aceitar as mudanças que teremos. O principal é a questão do distanciamento. A outra questão é a segurança dos nosso funcionários, com equipamentos de proteção, para que eles não fiquem expostos, e nem o cliente. Quem for para o evento, deve ir preparado com uso de máscaras, teremos álcool gel nas mesas, na entrada e tudo que seja necessário para a segurança e higiene dos nossos clientes. 

O garçom José Rodrigues afirma que tem sobrevivido com o seguro desemprego. 

“Basicamente fiquei em casa. A recomendação feita é para ficar em casa. Estamos sem trabalhar. Estou no seguro porque saí de outra empresa que trabalhava. É possível voltar. É difícil, mas seguindo os protocolos vamos trabalhar com pessoas. Vamos ter um bom diálogo com os convidados e vamos conseguir se sair bem”, afirmou.

 

Lídia Brito
[email protected]

Imprimir