Cidadeverde.com
Esporte

Djokovic acerta bolada em juíza de linha e é desclassificado do US Open

Imprimir

Principal candidato ao título do US Open, Novak Djokovic decepcionou os fãs neste domingo ao ser desclassificado do Grand Slam por ter acertado uma bolada numa juíza de linha. Jogando na quadra central, o tenista número 1 do mundo deixa a competição na fase de oitavas de final sem completar sequer o primeiro set da partida contra o espanhol Pablo Carreño Busta.

Insatisfeito por ter sofrido uma quebra de saque, o sérvio acertou a juíza sem intenção. Ele voltava para o seu banco quando, de costas, acertou uma raquetada para trás. Acabou atingindo com força o rosto de uma juíza de linha, que foi ao chão imediatamente e recebeu o amparo do próprio Djokovic e de membros da organização. Instantes depois a juíza levantou, sem esconder o mal-estar.

O árbitro de cadeira ainda conversou com o tenista por cerca de 12 minutos antes de oficializar a sua desclassificação, em meio ao constrangimento de todos. Pelas regras do tênis, os atletas são automaticamente eliminados das competições quando atingem qualquer pessoa com bolinhas ou raquetes. O sérvio já tinha arremessado uma bolinha com raiva contra uma das placas de patrocinadores antes de ser eliminado.

Antes do lance decisivo do jogo, Djokovic havia recebido atendimento médico em quadra para tratar de dores no ombro esquerdo, após cair de mal jeito sobre o membro. Até então, o sérvio vinha sendo o melhor em quadra, até com chances de encaminhar o set com facilidade.

Carreño Busta, atual 27º do mundo, vencia por 6/5 e iria sacar para fechar o set inicial no momento em que Djokovic acertou a juíza. Sem saber como reagir diante da situação incomum no tênis, o espanhol sequer comemorou a vaga inesperada nas quartas de final. Seu próximo adversário vai sair do duelo entre o canadense Denis Shapovalov e o belga David Goffin.

Dono de três títulos em Nova York, Djokovic vinha em grande momento no torneio e na temporada. Ainda sem perder neste ano, o sérvio somava 26 vitórias em 26 jogos em 2020 - eram 29 partidas de invencibilidade somando três triunfos ainda conquistados na temporada passada.

Neste US Open, Djokovic era o maior candidato ao título e a principal estrela da chave masculina devido às ausências do suíço Roger Federer e do espanhol Rafael Nadal. Dono de 17 títulos de Grand Slam, ele tinha a oportunidade perfeita para somar mais um troféu e encostar de vez na briga pelo recorde de títulos neste nível de torneio, o mais prestigiado do tênis mundial - Federer soma 20, enquanto Nadal tem 19.

O sérvio também tinha a chance de ocupar o vácuo deixado pelos dois rivais, considerados por muitos como os maiores da história, tanto dentro de quadra quanto fora, em termos de liderança, carisma e preferência dos fãs.

NOVO CAMPEÃO - Com a desclassificação de Djokovic, o tumultuado US Open deste ano terá um novo campeão de Grand Slam. Isso porque o croata Marin Cilic e o escocês Andy Murray, tenistas que já levantaram troféus deste nível, já foram eliminados - Cilic se despediu na noite de sábado, contra o austríaco Dominic Thiem. Outros campeões, como o argentino Juan Martín Del Potro e o suíço Stan Wawrinka, sequer entraram na competição.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir