Cidadeverde.com
Geral

Profissionais do setor de eventos protestam contra "lei seca" no final de semana

Imprimir

Profissionais da área de eventos realizaram um protesto contra a "Lei Seca" proposta pelo Governo do Piauí para este final de semana. Artistas, músicos, produtores, técnicos de som, dançarinos, coreógrafos, dentre outros, participaram do ato, que ocorreu nesta quarta-feira (21) na Avenida Frei Serafim.

Para o grupo, o decreto a ser assinado pelo governador Wellington Dias (PT) mais uma vez afetará diretamente os artistas, músicos e demais profissionais que sobrevivem, na grande maioria, dessa única fonte de renda.

Os profissionais relatam que a categoria foi prejudicada desde o início da pandemia quando tiveram que suspender as atividades em março de 2020. Eles retornaram com as atividades em setembro após seis meses parados. 

O protesto teve apoio de vários representantes de eventos ligados à arte, cultura e lazer, como atores, produtores, diretores teatrais, além de empresários donos de bares, restaurantes e casas de shows, também afetados. O ator de teatro e cinema, produtor, diretor e coordenador de eventos, Francisco Pellé, participou do ato e afirmou discordar da forma abrangente do novo decreto.

 “O governador torna pública essa lei seca, que passa a vigorar na mesma semana de sua publicação, sem dar tempo de cancelamento de agendas, afetando diretamente os trabalhadores da cultura noturna e pegando a todos de surpresa, após o governo ouvir somente o COE (Comitê de Operações Especiais de combate ao Covid-19). O protesto é válido, pois esse setor econômico, que passou a ser liberado para funcionar recentemente, dava os primeiros passos para se reerguer e agora, com essa medida, é um passo atrás para esses trabalhadores, os mais prejudicados com a pandemia, pois desde março teve uma paralisação de 100 por cento de suas atividades e acumula prejuízos de diversas ordens, sem precedentes. Além disso, são atividades que funcionam, na maioria em finais de semana, ou seja, não poderão funcionar com o decreto”, disse Pellé. 

Foto: grupo Harém

 

Da Redação
[email protected] 

Imprimir