Cidadeverde.com
Geral

Carro de vereador do Rio foi atingido por disparos de fuzil

Imprimir

Foto: Divulgacand/TSE

O vereador carioca e candidato à reeleição Zico Bacana (PODE), baleado no início da noite dessa segunda-feira, 2, no bairro de Marechal Hermes, na zona norte do Rio, afirmou ter sido vítima de tentativa de homicídio. Atingido de raspão na cabeça, Zico, que tenta a reeleição, prestou depoimento à Polícia Civil por cerca de três horas. Duas pessoas morreram durante a ação criminosa.

"O que aconteceu foi realmente tentativa de homicídio. Eu não posso dizer pra você da onde veio, da forma que aconteceu. Foi muito rápido. Vários disparos que foram efetuados", disse o vereador, em entrevista à TV Globo. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios da Capital e os agentes fazem diligências nesta manhã para tentar identificar os autores do ataque.

Poucas horas após o tiroteio, a assessoria de imprensa do vereador já havia afirmado parecer se tratar de "um atentado, em circunstâncias estranhas". O parlamentar foi levado ao Hospital Carlos Chagas, no mesmo bairro onde aconteceu o crime, foi atendido e liberado.

O carro do vereador foi alvejado por cerca de 15 disparos de fuzil. Além dele, outras quatro pessoas foram baleadas, e duas acabaram morrendo - nenhuma delas havia sido identificada.

O policial militar Jair Barbosa Tavares, o Zico Bacana, é citado na CPI das Milícias, da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), como integrante do grupo organizado que atua nas favelas da Palmeirinha e da Eternit,em Guadalupe, na zona oeste do Rio.

Antes do crime, ele postou no Facebook uma foto nesta segunda-feira, participando de um campeonato de futebol em Ricardo de Albuquerque, na zona norte.

De janeiro até agora, 76 brasileiros foram assassinados por motivações políticas. Há sete anos, o Estadão monitora casos de assassinatos de agentes políticos ocorridos desde a Lei de Anistia, em 1979. O Rio de Janeiro é o Estado com mais mortes políticas no País: foram 26 casos apenas neste ano. A atuação das milícias cariocas é um dos fatores que contribuíram para o número elevado de homicídios ao longo dos últimos anos.

 

Estadão Conteúdo

Imprimir