Cidadeverde.com
Geral

IBGE: taxa de mortalidade infantil do Piauí é a 4ª maior do país

Imprimir

Folhapress

O Piauí continua com a quarta pior taxa de mortalidade infantil do Brasil. A cada mil nascidos vivos no Piauí, cerca de 17,5 morrem antes de completarem um ano de idade. No ano passado, os dados divulgados na da Tábua Completa de Mortalidade 2019 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indicavam a mesma colocação, 18 bebês. Este ano, o número reduziu apenas meio percentual.  

O estado só é melhor apenas em relação ao Maranhão (18,6), à Rondônia (18,8) e ao Amapá (22,6). O estado com menor indicador é o Espírito Santo (7,8). No Brasil, o índice é de 11,9 mortes a cada mil nascidos vivos, de acordo com a Tábua Completa de Mortalidade 2019, do IBGE.

O estudo mostra ainda que a mortalidade infantil atinge em maior proporção as crianças do sexo masculino no Piauí. Entre eles, a taxa é de 18,2 mortes a cada mil nascidos vivos. Já entre as crianças do sexo feminino, a probabilidade é que, a cada mil nascidas vivas, cerca de 16,7 não cheguem a completar um ano de idade.

No Brasil, as crianças do sexo feminino também têm maior possibilidade de chegarem a completar um ano de idade do que aquelas do sexo masculino. A taxa de mortalidade infantil entre as mulheres nascidas vivas no país é de 11 a cada mil, índice que sobe para 12,8 mortes a cada mil nascidos vivos do sexo masculino. Somente em Roraima o índice de mortalidade infantil é maior entre as mulheres (16,9) do que entre os homens (16,4).

Os índices encontrados no Brasil são superiores às taxas dos países mais desenvolvidos do mundo. Japão e Finlândia, por exemplo, possuem taxas de 1,8 e 1,7 mortes a cada mil nascidos vivos no período de 2015-2020, respectivamente. 

No entanto, os índices do Brasil são bem menores quando comparadas com as taxas de países da África Central e Ocidental, por exemplo, onde os índices estão em torno de 90 mortes para cada mil nascidos vivos.

Nesta quinta-feira(26), o IBGE também divulgou a expectativa de vida dos piauienses. 

 

Da Redação
[email protected]

Imprimir