Cidadeverde.com
Economia

Caged: Piauí tem saldo positivo na geração de emprego pelo 4º mês consecutivo

Imprimir

Foto: Cidadeverde.com

Pelo quarto mês consecutivo o Piauí registrou saldo positivo na geração de emprego. Dados do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta quinta-feira (26) revelam que no mês de outubro no Estado bateu recorde de empregos formais, confirmando a retomada na economia piauiense mesmo neste ano difícil de pandemia.

Em outubro, houve 8.854 admissões e 5.362 desligamentos no Piauí, com o saldo de 3.492, o maior registrado durante todo 2020. Em setembro a diferença entre contratações e demissões foi de 2.459, em agosto 2.010 e julho, 975. Junho, maio e abril, foram os meses mais críticos, todos com saldos negativos. 

Mesmo com o dado animador, o saldo do Piauí em outubro é o segundo menor do Nordeste, ficando atrás apenas da Paraíba, que teve 1.437 na diferença entre admissões e desligamentos.

Brasil
Segundo os dados do Novo Caged foram abertas 394.989 vagas com carteira assinada no mês de  outubro, resultado de 1.548.628 admissões e de 1.153.639 desligamentos, melhor resultado não apenas para 2020 como também o melhor da desde o início da série histórica, desde 1992. O desempenho reforça a retomada da economia brasileira após os efeitos econômicos gerados pela Covid-19.

 "A economia continua retomando em V e gerando empregos em ritmo acelerado. Reagimos com resiliência, soubemos fazer distanciamento social e ao mesmo tempo manter economia girando", afirmou o Ministro da Economia, Paulo Guedes.

O estoque, que é a quantidade total de vínculos ativos, em outubro, chegou a 38.638.484, variação de 1,03% em relação ao estoque do mês anterior. No acumulado do ano, apesar do saldo negativo em 171.139, decorrentes de 12.231.462 admissões e de 12.402.601 desligamentos, o país perdeu menos empregos em 2020 do que nas crises de 2015 e 2016.

Dos cinco grandes grupamentos de atividades econômicas, quatro tiveram saldo positivo no emprego em outubro. O principal foi o setor de Serviços, que abriu 156.766 novas vagas. No Comércio foram criados 115.647 postos; na Indústria, 86.426; na Construção, 36.296.

 

Izabella Pimentel
com informações do Ministério da Economia
[email protected] 

Imprimir