Cidadeverde.com
Esporte

No Independência, Cruzeiro volta a tropeçar como mandante e só empata com o CSA

Imprimir

O Cruzeiro decidiu levar os jogos como mandante para o Independência, mas voltou a decepcionar em casa na Série B. Nesta terça-feira, só empatou com o CSA por 1 a 1, em partida válida pela 29.ª rodada, freando a sua ascensão na busca pelo acesso à elite nacional. Os gols da partida foram marcados por Pedro Lucas e Rafael Sobis.

Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro

A igualdade fez o Cruzeiro ampliar a sua atual série invicta para cinco jogos, mas frustrou por ser em um confronto com um time que está posicionado à frente.

O empate, aliás, impediu o CSA de alcançar o G4, o levando aos 45 pontos, na sexta colocação. Mas foi pior para o time mineiro, agora em décimo lugar, com 39, a sete pontos da zona de acesso.

Essa distância poderia ser menor, não fosse a campanha ruim da equipe em casa na Série B, antes no Mineirão e agora no Independência. O time só ganhou cinco jogos em casa, tendo empatado cinco e perdido outros cinco. Mas também poderia ter sofrido a sexta derrota, tanto que Fábio fez difíceis intervenções no fim do segundo tempo.

O time, aliás, oscilou bastante. Pouco criou na etapa inicial, a não ser em disparos de longe, com o CSA marcando uma vez e desperdiçando várias oportunidades.

Mas o Cruzeiro cresceu no começo do segundo tempo, liderado pela boa atuação de Giovanni. Conseguiu o seu gol, empatando o duelo, mas depois pouco ameaçou o CSA, consciente ao valorizar a posse de bola e bem organizado pelo técnico Mozart.

Os times voltarão a jogar na sexta-feira, ambos fora de casa, e diante de equipes que também brigam pelo acesso. O CSA visitará o Juventude no Alfredo Jaconi, enquanto o Cruzeiro vai enfrentar o Avaí na Ressacada.

O JOGO - O Cruzeiro buscou pressionar a saída de jogo do CSA nos minutos iniciais do duelo no Independência, mas o time visitante não se intimidou. Conseguia trocar passes, valorizava a posse e equilibrou o duelo, embora um disparo de Airton de longe tenha forçado Matheus Mendes a fazer boa defesa, aos 11 minutos.

O lance, aliás, se repetiria em outros momentos do primeiro tempo, com o time da casa arriscando bastante de fora da área. Mas quem marcou foi o CSA. Aos 25 minutos, Yago fez cruzamento perfeito para Pedro Lucas cabecear às redes: 1 a 0.

A partir daí, o jogo mudou. Encontrando espaços, o time alagoano era perigoso toda vez que atacava. E esteve várias vezes próximo de marcar o segundo gol. Aos 32, o CSA aproveitou que Manoel saiu jogando errado, Nadson acionou Andrigo, que finalizou. 

A bola desviou em Jadsom Silva e assustou Fábio. Aos 42, Pimpão cabeceou com muito perigo após cobrança de escanteio de Nadson. Já aos 46, Manoel evitou a finalização de Pimpão na hora certa.

Já o Cruzeiro, com muita dificuldade na criação, só foi chegar com perigo nos acréscimos, em disparo de Pottker. Foi pouco para satisfazer Felipão, que voltou para o segundo tempo com duas novidades: Giovanni e Arthur Caíke. Deu certo, com o time mineiro crescendo na partida.

Quase marcou aos sete minutos, em disparo de Rafael Sobis no cantinho, defendido por Matheus Mendes. E o goleiro voltou a se sair bem aos dez, em chute de fora da área de Geovanni.

Ao 13, porém, a defesa parcial na batida do meia não foi suficiente, pois Sobis ficou com o rebote e finalizou às redes: 1 a 1, com o quinto gol do artilheiro do time na Série B.

Antes acuado, o CSA mudou sua postura após ser vazado. Passou a valorizar a posse de bola, esfriando o jogo. O Cruzeiro tentava pressionar a saída de jogo, mas a estratégia não surtia efeito e ainda deixava espaços no campo defensivo. 

E o time alagoano quase aproveitou aos 37 minutos. Diego Renan cruzou para Pedro Lucas, que finalizou para defesa de Fábio, no susto, com o peito E o goleiro voltou a salvar o Cruzeiro aos 42, em finalização de Victor Paraíba, assegurando o empate.

Por Leandro Silveira
Estadão Conteúdo

Imprimir