Cidadeverde.com
Geral

Conselheira teve que pagar combustível do próprio bolso para atender criança abandonada

Imprimir

 

 

O trabalho dos conselheiros tutelares que atuam em Teresina está prejudicado por causa de restrições ao valores destinados ao abastecimento dos veículos. A denúncia foi feita ao Cidadeverde.com pela conselheira Socorro Arraes, do 4º Conselho Tutelar, responsável pelos atendimentos em toda a zona leste da capital. De acordo com ela, desde novembro, a empresa que presta o serviço de locação dos automóveis fornece apenas R$ 80 a cada dois dias para o abastecimento. 

Por causa da situação, a conselheira relata que durante um atendimento realizado ontem (17) teve que colocar gasolina com seu próprio dinheiro para evitar que o veículo parasse de funcionar. O episódio aconteceu após a apuração de uma denúncia de violação de direitos envolvendo uma criança de apenas quatro anos, no povoado Santa Teresa, zona rural de Teresina. 
 
"Era um caso de abandono de incapaz e nós tínhamos que ir. Quando nós voltamos, o motorista disse que estava com medo ficarmos 'no prego de gasolina'. O carro começou a falhar, então paramos próximo a um posto de combustível e coloquei gasolina com meu dinheiro. Na hora pensei: Vou levando uma criança que já é vítima de violação e não vou deixar ele passar mais esse constrangimento'. Abasteci e pedi a nota com a placa do veículo e o nome da empresa. Liguei e pedi ressarcimento. É pouco, mas é meu", relata Socorro Arraes. 

Ainda de acordo com a conselheira, as dificuldades enfrentadas para o abastecimento dos veículos se repetem nos outros quatro Conselhos Tutelares da capital. "É uma situação vexatória para todos os conselhos, e vexatória ainda mais quando você está com uma criança que já vem sendo vitimizada, com ausência da família, e ter que parar no meio de uma estrada porque falta combustível no carro", desabafa. 

Foto: Najla Fernandes/TV Cidade Verde


 
Os conselheiros tutelares também denunciam que os veículos não ficam disponíveis para atendimentos noturnos, o que prejudica ainda mais a prestação do serviço e as fiscalizações de denúncias sobre violações de direitos. 

"Nós não temos como fazer nenhum tipo de atendimento na parte da noite. A empresa que paga os motoristas, no mês de outubro, nos comunicou que a partir daquela data motorista só ia trabalhar até as 19h. Ou seja, Teresina é a única capital do país que criança e adolescente que sofrer qualquer tipo de violação te que chamar a policia e não o conselho tutelar", afirma Socorro Arraes.

Outro Lado 

Procurada pelo Cidadeverde.com, a Secretaria Municipal de Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), responsável pela gestão dos conselhos, se manifestou através de nota, informando que ainda não tomou conhecimento oficialmente da situação, mas que deve adotar as providências cabíveis junto à empresa responsável. Sobre a ausência de disponibilidade de veículos no período noturno, a Semcaspi não se manifestou. 

Confira a nota da Semcaspi: 

A Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) informa que ainda não teve  conhecimento de forma oficial da redução no abastecimento de combustível nos veículos dos Conselhos Tutelares. No entanto, a Semcaspi esclarece que, constatando a veracidade,vai fazer a notificação da empresa locadora, considerando que os pagamentos estão devidamente regulares.

 

Natanael Souza
[email protected] 

Imprimir