Cidadeverde.com
Últimas

Após apelo de artistas e amigos, músico recupera sanfona furtada em Teresina

Imprimir

 

Atualizada às 16h20

O apelo de artistas de renome nacional e os inúmeros compartilhamentos nas redes sociais deram certo. Após três dias, o jovem músico acordeonista Inácio Botêlho conseguiu recuperar sua sanfona que havia sido furtada na véspera do Natal, na zona Leste de Teresina. 

Na madrugada deste domingo (27), o músico gravou um vídeo em agradecimento. 

"Quero agradecer a todos os meus amigos que ajudaram a divulgar, as TVs. Tô muito feliz! sem mais palavras para descrever, para conseguir expressar a felicidade que estou sentindo agora. Deu tudo certo. Quero agradecer também à polícia que foi lá resgatar o meu instrumento. Muito obrigado", disse Inácio que também participa da Orquestra Sanfônica de Teresina.

 

"Filha" encontrada

Ao Cidadeverde.com, o músico disse que recebeu uma ligação de um número desconhecido informando onde estava o instrumento, ontem(26), por volta das 20h. Ele disse que ficou com vontade de ir ao local com amigos, mas depois de ouvir conselhos, e com receio de ser outro golpe, ligou para a polícia informando o local, onde a sanfona estaria. Inácio preferiu não revelar a localização exata à reportagem. 

“Deixaram em um matagal na frente de uma casa, mas prefiro não dizer onde foi. A polícia resgatou e pediu para eu ir até a Central de Flagrantes receber o instrumento”, explicou Inácio. 

Ele disse que ainda não acredita em tudo que aconteceu, desde o roubo, à campanha feita por artistas e agora o resgate do instrumento, que chama carinhosamente de “filha”. 

“Foram três dias de um pesadelo, que ainda nem caiu a ficha do roubo e nem caiu a ficha do resgate do instrumento. Quando as pessoas falam, nem parece que está acontecendo mesmo... Parando para pensar e analisar bem, eu não tinha noção do tanto de pessoas que seriam alcançadas Chambinho (do Acordeon), Frank Aguiar, Francis Lopes, o Raniel Sousa que está no top 5 desse meu instrumento e foi uma surpresa boa, tanta gente empenhada a ajudar, a encontrar!”, afirmou Inácio Botêlho que ainda é estudante do Ensino Médio.  

Ele disse que já testou “sua filha” e que ela está “intacta”. A última prestação do instrumento será paga no próximo mês e ele já decidiu que mesmo que queira outra, esta, sempre será sua. 

“Ela não é um instrumento bom qualquer. Você precisa se identificar com o som, com a mecânica, a estética e com o tocar. É uma coisa muito própria do músico com seu instrumento. É algo como se fosse um casamento, que você encontra e define que vai ser aquilo até o fim. Se eu já tinha dos votos de que não a trocaria, agora ficou mais difícil pela história que ela carrega. Foi algo triste, mas que graças a Deus teve um final feliz”, afirma o artista, que toca sanfona desde os 11 anos de idade e pretende fazer faculdade de música.

Inácio destaca que agora terá mais cuidado e vai adotar medidas de segurança para não passar mais por sustos assim. 


Caroline Oliveira e Graciane Sousa
[email protected]

 

Imprimir