Cidadeverde.com
Política

Governadores do Nordeste reforçam a necessidade de prorrogar estado de calamidade

Imprimir

Foto: Paulo Barros/CCom

O governador Wellington Dias (PT) voltou a reforçar o pedido de prorrogação do decreto de calamidade no Brasil em reunião virtual com os governadores do Nordeste realizada nesta segunda-feira (28). Wellington Dias é presidente do Consórcio Nordeste. 

No Piaui, o estado de calamidade pública foi prorrogado até o dia 30 de junho de 2021, após a aprovação em plenário da Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi).

“Somos noves estados do Nordeste; digo sempre que a nossa força é a nossa união. Colocamos como prioridade a necessidade de seguir dialogando, insistindo e trabalhando com o Congresso Nacional e Ministério da Saúde para a prorrogação da calamidade no Brasil”, diz Wellington Dias.

O governador ressalta que o atual decreto que estabelece a calamidade pública no país vence no dia 30 de dezembro. “Há a necessidade de prosseguir, pois continuamos com a crise da Covid-19 no mundo, que reflete em cada município e estado”, destaca Wellington Dias, acrescentando que ainda há muitos riscos em decorrência da pandemia no aspecto econômico e social. 

“Queremos uma prorrogação de até 180 dias com uma avaliação mensal, no qual é possível suspender a qualquer momento a calamidade. Queremos o mais rápido sair, mas, para isso, é preciso que a vacinação seja concluída para ter uma saída segura”.

A videoconferência também discutiu o cronograma de vacinação. “Sobre a vacina, queremos garantir um cronograma acertado com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que já nos afirmou que irá trabalhar com a aprovação emergencial”.

Outro tema abordado na reunião foi a atuação das câmaras setoriais.  “No que diz respeito às câmaras setoriais, demos um importante passo: cada estado elegeu duas experiências de sucesso para ancorar e integrar para todo o Nordeste. No Piauí, vamos trabalhar a modelagem de PPPs (Parcerias Público-Privadas) centrada nas áreas de energias renováveis e segurança”. 

Carlienne Carpaso 
[email protected] 

Imprimir