Cidadeverde.com
Geral

Em um mês, Semduh gastou R$ 382 mil para retirar lixo irregular de local proibido

Imprimir

Somente em janeiro deste ano, a Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Semduh) recolheu mais de 8,5 mil toneladas de lixo descartados em local inapropriado. O custo para os cofres da Prefeitura de Teresina somaram R$ 382 mil.

A Semduh faz novamente um apelo para conscientizar a população da importância de descartar o lixo de forma adequada. “Não há necessidade de jogar lixo em calçadas e praças públicas. Os caminhões passam dia sim e dia não em quase toda a cidade, e onde o caminhão não consegue entrar, a Prefeitura contrata carroceiros para fazer a coleta”, explica o secretário da Semduh, Edmilson Ferreira.

O gestor acrescenta, entretanto, que apesar do cuidado da Prefeitura em manter a coleta frequente, há dezenas de pontos de descarte irregular de lixo em Teresina. “Hoje temos mais de 60 pontos irregulares que a Prefeitura tem que limpar toda semana e todos os dias surgem pontos novos. Essa prática pesa no bolso da Prefeitura. Esses recursos poderiam ser investidos em outras áreas se a população descartasse seu lixo de forma correta”, frisa Edmilson.

A Prefeitura de Teresina disponibiliza ainda 56 Pontos de Recolhimento de Resíduos (PPRs) espalhados em todas as zonas da cidade para o descarte de materiais de construção, poda de árvores e móveis usados.

“Muitas vezes, a população joga lixo a menos de 200 metros do PRR. Não existe justificativa para isso. Vamos intensificar a fiscalização e o monitoramento na cidade para multar quem cometer esse tipo de infração”, alerta o secretário.

A multa para quem joga lixo em local proibido varia de R$ 369 a R$ 3.690. A Coordenação do Lixo Zero disponibiliza ainda um número de whatsapp exclusivo para denúncias – 86 9.9806-6171.

“Quem tiver fotos ou vídeos de pessoas jogando lixo em local inapropriado, por favor envie para esse número. A denúncia é completamente anônima. Precisamos da ajuda da população para manter a cidade limpa”, finaliza Edmilson Ferreira.

 

[email protected]

Imprimir