Cidadeverde.com
Política

Governador diz que Bolsonaro “confunde e engana” sobre recursos federais

Imprimir

Foto: Roberta Aline

Atualizada às 11h20

O governador Wellington Dias (PT) subiu o tom e rebateu o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmando que o “presidente da República confunde e engana a população ao informar dados distorcidos”.

Wellington Dias usou sua rede social para rebater o presidente que afirmou na última sexta-feira (26) em visita a Caucaia (CE) que daqui para a frente os governadores que "fecharem seus estados" é que devem bancar o auxílio emergencial. 

Wellington Dias afirma ainda que não é favor do governo federal os recursos que os estados têm direito.

“As transferências constitucionais obrigatórias e os benefícios previdenciários  não podem ser vistos ou divulgados como ação extraordinária do governo federal. São recursos que cada estado e município tem direito pelo pacto federativo. Não é favor algum!”
Dias lembra que o País está à beira de um colapso, devido a falta de vagas em UTIs.

“Estamos à beira de um colapso nacional na rede hospitalar. Chegamos a 255 mil óbitos no Brasil, mais de mil pessoas morrendo por dia e milhares sofrendo em hospitais lotados. Em que contribui atitudes como esta do presidente?”.

Após a troca de farpas entre o presidente Jair Bolsonaro e os chefes do poder executivos estaduais, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), chamou governadores para uma conversa virtual essa semana para discutir questões relacionadas à pandemia.

Ontem, a ministra Rosa Weber, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou ao Ministério da Saúde o custeio de UTIs para pacientes do Covid -19 nos estados da Bahia, do Maranhão e de São Paulo.

Os governadores divulgaram uma nota pública rebatendo as informações do presidente. Leia aqui

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), também rebateu o presidente. 

“A mentira federal sobre repasse de recursos ao Estado do Maranhão é tão absurda que o valor “informado” (R$ 36 bilhões) equivale quase ao dobro do orçamento do Estado em 2020. Vamos ter que, mais uma vez, entrar na Justiça por essa vergonhosa fake News”.

 

 

 

Flash Yala Sena
[email protected]

Imprimir