Cidadeverde.com
Política

Em carta, governadores pedem a Bolsonaro medidas mais enérgicas contra pandemia

Imprimir

Foto: Roberta Aline

Um grupo de 14 governadores enviou carta ao presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), cobrando a "imediata adoção de providências necessárias" para viabilizar a compra de vacinas contra a Covid-19. Na carta, os governadores relatam que estão “no limite de suas forças e possibilidades” no enfrentamento do aumento de casos e mortes pela doença. 

"Se não tivermos pressa, o futuro não nos julgará com benevolência. Por isso, pedimos ao governo federal, especialmente por meio dos Ministérios da Saúde e das Relações Exteriores, esforço ainda maior para obter, em curto prazo, número consideravelmente superior de doses. Caso seja possível, sugerimos também o requerimento de apoio e intermediação da Organização Mundial da Saúde (OMS)", diz a carta.

O documento ressalta que os “imunizantes são hoje para o Brasil e para os brasileiros muito mais do que uma alternativa ou medicamento: representam a própria esperança da população e, nesse sentido, nenhum governante pode correr o risco de não esgotar todas as possibilidades ou de procrastinar ações e procedimentos. Cada minuto, cada hora e cada dia são preciosos e decisivos, e constituem a triste diferença entre viver ou morrer". 

LEIA A CARTA

Além disso, os Estados mencionam ter instalado nos últimos meses milhares de novas vagas em Unidades de Terapia Intensiva (UTI), contratado profissionais de saúde em diversas áreas e comprado equipamentos. Também destacam ter investido em orientação da população sobre medidas de distanciamento social por meio de "estratégias claras de comunicação".

"Esse conjunto de ações, ainda que indispensável, demonstra estar próximo do exaurimento. Ninguém discorda de que, nas próximas semanas, talvez meses, a pandemia seguirá ceifando vidas, ameaçando, desafiando e entristecendo todos nós", detalha a carta.

Vacinação em massa

Os 14 governadores reforçam a necessidade da vacinação em massa no país. "Nesse contexto, a vacinação em massa, com a maior brevidade possível, é a alternativa que se afigura como a mais recomendável, e, provavelmente, a única capaz de deter a pandemia, permitindo que o Brasil, seus Estados e Municípios, aos poucos, possa retornar à normalidade, com as devidas medidas sanitárias e econômicas."

A carta é assinada pelos governadores de Alagoas, Renan Filho; do Amapá, Waldez Góes; da Bahia, Rui Costa; do Ceará, Camilo Santana; do Espírito Santo, Renato Casagrande; do Maranhão, Flávio Dino; do Mato Grosso, Mauro Mendes; do Pará, Helder Barbalho; da Paraíba, João Azevedo; de Pernambuco, Paulo Câmara; do Piauí, Wellington Dias; do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra; do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite; e do Sergipe, Belivaldo Chagas.

 


No Brasil, a maioria dos estados enfrenta esgotamento de leitos de UTI, com ocupação superior a 80%, incluindo o Piauí. Nesta semana, o Brasil bateu recorde de mortes por covid por dois dias, com quase 2 mil mortes.

Compra de vacinas 

Na carta, os governadores relatam que reconhecem haver "extraordinária procura" por vacinas no mundo junto a diversos fornecedores, "mas também percebemos que é preciso agilizar mecanismos de compra, explorar e concretizar todos os meios de aquisição disponíveis, para vacinar, no menor espaço de tempo possível, a maior quantidade de brasileiros".

Eles mencionam ainda a chegada da nova variante P1, já em transmissão comunitária, "que tem se revelado ainda mais letal, prejudicando os esforços para proteger a vida de nossas cidadãs e cidadãos, bem como de suas famílias".

"O porcentual de vacinas aplicado no Brasil, a despeito do empenho de governadores, prefeitos e profissionais da saúde em todo o País, ainda é muito baixo e, no ritmo atual, infelizmente, atravessaremos o ano lamentando a irreparável perda de vidas, além da baixa expectativa de imunizar efetivamente todos os grupos prioritários", diz a carta.

"Os exemplos cada vez mais bem-sucedidos de países que estão contendo a pandemia por meio da vacinação, combinada com outras práticas de prevenção e higiene, não remete a outro caminho que não seja o esforço político e diplomático de todos - liderado no plano das relações internacionais pelo governo brasileiro - a fim de garantir, desde logo, novos carregamentos de vacinas."

 

Carlienne Carpaso (com informações do Estadão Conteúdo)
[email protected]

 

Imprimir