Cidadeverde.com
Geral

Manifestantes barram saída de caminhões do terminal de Petróleo

Imprimir
  • manifff_(4)1.jpg Dantércio Cardoso
  • manifff_(3).jpg Dantércio Cardoso
  • manifff_(2).jpg Dantércio Cardoso
  • manifff_(4).jpg Dantércio Cardoso

Motoristas de aplicativo continuam em protesto no Terminal de Petróleo, na BR-343, na tarde quinta-feira (11). Eles protestam contra o aumento nos preços dos combustíveis e pela diminuição da alíquota do ICMS. 

Para pressionar as autoridades, os manifestantes estão impedindo a saída dos caminhões com combustíveis do terminal de petróleo. Por volta das 14h representantes do movimento foram para uma reunião na secretaria estadual de Segurança para tentar intermediar um acordo. 

A preocupação das autoridades é que os postos de combustíveis fiquem desabastecidos.  “Deixamos sair três caminhões e vamos ver no que vai dar essa reunião. Recebemos a informação que vai tentar uma intermediação com a Secretária da Fazenda. Nosso protesto aqui é contra esse ICMS altíssimo, preço abusivo da gasolina e ainda tem a questão da nossa segurança. Os motoristas de aplicaTivo sofrem muitos assaltos. Teve um sábado que foi cinco”, conta o manifestante Toni Menezes. 

O motorista Júnior  Rodrigues também participa do protesto e defende que a manifestação “é por toda população” pois o ICMS impacta no preço de tudo. 

“Esse não é um ato só por nós, motoristas de aplicativo. É por toda população”, disse. 

Apesar da confusão ocorrida na noite de ontem (9) o movimento está pacífico. Policiais da Força Tática Rodoviária e da Cavalaria da PM estão no local. 

A Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) se manifestou sobre as reivindicações dos manifestantes por meio de nota. A Sefaz explica que o preço médio na bomba dos postos de combustíveis muda porque a Petrobras está alterando os preços. 

Veja nota 

A Sefaz informa que a legislação nacional determina a pesquisa/coleta quinzenal do PMPF, que é o preço médio na bomba nos postos de combustíveis, para servir de base para aplicação da alíquota do ICMS (que não muda há vários anos). O PMPF muda porque a Petrobrás está alterando os preços e não porque houve qualquer alteração na alíquota de ICMS. Assim, os postos reajustam os valores nas bombas e esses valores determinam o PMPF quinzenal.

Flash Izabella Pimentel
[email protected]

Imprimir