Cidadeverde.com
Esporte

Palmeiras consegue vitória na CAS e livra atacante Rony de punição na Fifa

Imprimir

O Palmeiras conquistou nesta quinta-feira uma importante vitória jurídica na Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês). O órgão liberou o atacante Rony de ser punido por causa de uma batalha movida por uma antiga equipe dele, o Albirex Niigata, do Japão. 

Um dos destaques do time alviverde na última temporada, o jogador atuava graças a um efeito suspensivo conseguido em julho do ano passado.

O imbróglio começou em 2017, quando o jogador deixou o Cruzeiro para reforçar o Albirex Niigata. A equipe japonesa sustenta que na época assinou com o atacante um acordo de um ano de empréstimo com renovação automática por mais duas temporadas.

No entanto, ao fim dos primeiros 12 meses de vínculo, o jogador alegou não reconhecer a cláusula e assinou com o Athletico-PR.

Irritado com a situação, o Albirex Niigata acusou Rony de abandonar o clube. Em julho, a equipe japonesa conseguiu que a Fifa suspendesse o atacante por quatro meses e o obrigasse a pagar uma multa de R$ 6 milhões.

O valor ainda teria como acréscimo 5% de juros mensais contabilizados entre março de 2019 até a data da quitação.

Rony chegou ao Palmeiras em fevereiro de 2020 e a equipe alviverde já estava ciente da possibilidade de enfrentar uma briga jurídica.

Dias depois da notificação da Fifa, o Palmeiras entrou com um efeito suspensivo para poder escalar Rony e teve o aval da entidade. Por causa disso o atacante atuou normalmente e foi, inclusive, fundamental na campanha do time para as conquistas da Copa Libertadores e da Copa do Brasil.

Na última quarta-feira, o camisa 11 atuou no empate por 1 a 1 com o São Bento, pelo Campeonato Paulista.

A confirmação de vitória no caso foi anunciada nas redes sociais pelo advogado do Palmeiras, André Sica. "É com enorme satisfação que informamos aos palmeirenses que tivemos êxito em nosso recurso ao CAS e o atleta Rony está definitivamente liberado da sanção disciplinar imposta pela Fifa", escreveu.

Por Ciro Campos
Estadão Conteúdo

Imprimir