Cidadeverde.com
Geral

Piauí tem 100 mortes por Covid em três dias; UTIs do interior seguem lotadas

Imprimir

Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com

Análise de dados divulgados pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi)apontam que abril deve seguir a tendência de alta de mortes causadas por Covid-19 no Piauí. 

Somente nos primeiros três dias de abril, 100 mortes por coronavírus foram registradas no Estado. Para se ter ideia do aumento de óbitos em relação ao mês anterior, entre os dias  1, 2 e 3 de março, 50 pessoas não resistiram às complicações da Covid-19 e morreram. 

Até agora  março foi considerado o mês mais letal desde o início da pandemia no Piauí, com o registro de 754 óbitos. Além do índice expressivo de mortes, abril também parece que vai alcançar recorde no número de casos de Covid-19. Dados da Sesapi mostram que 3243 pessoas testaram positivo para doença nos últimos três dias. No mesmo período de março foram confirmados 2538 casos.

Em reunião realizada ontem com o COE (Comitê de Operações Emergenciais), o governador Wellington Dias decidiu prorrogar medidas restritivas no Piauí para tentar conter o avanço dos casos da doença. Segundo o chefe do Executivo,  nos últimos dias houve queda na transmissibilidade, mas ainda é crescente a ocupação de leitos de UTIs em todo o estado.

O coordenador do COE, o médico José Noronha, admitiu que o  Estado  está com o sistema de saúde colapsado e não pode abrir mão de medidas de contenção. “Os dados colhidos pela Secretaria de Saúde, Fiocruz e Universidade Federal mostram que a média móvel de novos casos aumentou 35%, que há aumento da procura por leitos de UTI, que a fila de espera para leitos de UTI tem uma tendência a aumentar. De 1 a 30 de março o Piauí teve 750 óbitos, um número alto comparado com os meses anteriores. É fato que o sistema está colapsado e precisamos seguir e ampliar as medidas”, afirmou.

De acordo com a Sesapi, 100% dos leitos de UTI Covid dos hospitais do interior do Estado estão ocupados. Na capital, o percentual de ocupação é de 93,7%. 

Veja aqui o boletim

 

Izabella Pimentel
[email protected]

Imprimir