Cidadeverde.com
Últimas

Zózimo Tavares homenageia Firmino Filho: 'uma perda verdadeiramente irreparável'

Imprimir


Firmino e eu fomos os secretários convidados pelo prefeito Wall Ferraz para receber o governador eleito Mão Santa, no final de 1994 (Foto: arquivo pessoal)

 

O jornalista e escritor Zózimo Tavares, presidente da Academia Piauiense de Letras, escreveu homenagem ao ex-prefeito de Teresina, Firmino Filho, que faleceu na tarde de segunda-feira (06). O texto “Quando faltam palavras” fala sobre a amizade de 28 anos e da história de Firmino Filho na construção da cidade de Teresina.  “Uma perda verdadeiramente irreparável. Ele fará muita falta a Teresina e ao Piauí nas crises que se aproximam”, diz o escritor em site pessoal. 

Veja homenagem 
 

Quando faltam palavras
 

O que dizer numa hora destas? Não há o que dizer. Muito menos o que especular sobre os motivos que levaram o ex-prefeito Firmino Filho a uma tragédia pessoal que chocou Teresina, o Piauí e o mundo político.

O que posso fazer, neste momento, é dar o meu testemunho sobre uma pessoa com a qual convivi por 28 anos seguidos, sem abalos na amizade, apesar das imensas e incontornáveis discordâncias, postas sempre de modo franco e sincero.

Conheci o Firmino exatamente em 1º de dezembro de 1992, quando, por delegação do prefeito eleito Wall Ferraz, fiz o anúncio oficial do seu secretariado.

Eu estava escolhido secretário de Comunicação do novo prefeito e Firmino, que dali a 15 dias faria 28 anos, seria secretário de Finanças.

Na Prefeitura, como secretários, tivemos uma convivência amistosa e solidária. Firmino era tímido e reservado, muito calado, mas não foi difícil identificar nele um novo gênio.

À época, ele já era professor de economia da Universidade Federal do Piauí e havia sido convocado para o cargo de auditor do Tribunal de Contas da União (TCU).

Mas ele havia sido aprovado também no concurso de analista legislativo do Senado. Já secretário, passou em outro, para auditor do Estado, mas não quis assumir. Era só para treinar.

Nasce o líder

Naquele período, o fato marcante e chocante para todos nós foi a inesperada perda do professor Wall, que morreu prematuramente em 22 de março de 1995.

O vice-prefeito Francisco Gerardo assumiu e, na sucessão dele, em 1996, o PSDB apresentou Firmino como candidato.

O impossível aconteceu naquela eleição: um cobrador de imposto, desconhecido da cidade, acabou derrotando nas urnas um mito da política piauiense, o deputado federal Alberto Silva (PMDB), líder absoluto de todas as pesquisas.

E daí para frente Firmino afirmou-se como gestor público de mão cheia, devotado ao trabalho, e se fez líder, até quando perdeu.

Conduziu o PSDB a mais cinco vitórias seguidas na eleição para prefeito de Teresina, um feito inédito entre as capitais brasileiras.

Seu esquema foi derrotado, em 2020, depois de 34 anos de poder, justamente quando ele fazia a sua gestão mais realizadora, com obras espalhadas pelos quatro cantos da cidade.

E foram muitos os motivos da derrota: fadiga de material, como se diz na política; erros de estratégia eleitoral e, principalmente, a pandemia da Covid-19.

O sonho acabou

O sonho político de Firmino era ser governador do Piauí, porém ele sai de cena de forma inesperada, surpreendente, trágica. Custa crer que isso tenha acontecido!

Uma perda verdadeiramente irreparável. Ele fará muita falta a Teresina e ao Piauí nas crises que se aproximam.

Firmino se formou em Recife, na turma do ex-governador Eduardo Campos, de quem se tornou amigo pela vida inteira.

Essa jovem e irreverente turma tinha entre seus ídolos o cantor Reginaldo Rossi, artista muito popular na cidade.

Uma das canções que Reginaldo gravou, já depois que esses fãs estavam formados e cuidando de suas vidas profissionais, caiu no gosto popular por trazer, entre seus versos, este que diz: “Hoje eu só quero chorar”.

Da mesma forma que Firmino chorou incontrolavelmente, ao meu lado, na missa de despedida de meu filho Daniel, em 7 de julho de 2014, hoje eu também só quero chorar.

E orar para que sua alma, atormentada em seus últimos momentos, receba o descanso eterno e para que a sua família e seus amigos encontrem conforto espiritual nesta hora de dor!

Vá em paz, meu amigo!

 

Carlienne Carpaso
[email protected]

Imprimir