Cidadeverde.com
Geral

Maternidade Dona Evangelina Rosa terá mais 24 novos leitos para atender gestantes

Imprimir
  • maternidade_-16.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • maternidade_-15.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • maternidade_-14.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • maternidade_-13.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • maternidade_-12.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • maternidade_-11.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • maternidade_-10.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • maternidade_-9.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • maternidade_-8.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • maternidade_-6.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • maternidade_-5.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • maternidade_-3.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • maternidade_-2.jpg Roberta Aline / Cidade Verde

 

A maternidade Dona Evangelina Rosa vai colocar em funcionamento mais 24 novos leitos para atender gestantes do estado.  A previsão é que em 15 dias será inaugurada a nova ala que foi batizada de “F”. Dona Evangelina Rosa, que recebe gestantes e bebês de alto risco, atende uma média de 9 mil grávidas por ano e tem hoje 240 leitos entre clínicos e UTI.  

O diretor-geral da maternidade, Francisco Macêdo, informou que o novo espaço será inaugurado devido a uma emenda proposta pela então senadora Regina Sousa (PT), atual vice-governadora do estado. 

“Serão leitos de alojamentos conjunto, ou seja, são 48 leitos, sendo 24 para gestantes com 24 bercinhos de bebês. Isso Irá melhorar o atendimento as pacientes. É uma ala totalmente nova com todo equipamento e condição de funcionamento”.

O diretor informou ainda que a Secretaria Estadual de Saúde (Sesapi) já autorizou a contratação do pessoal que irá atender na nova ala.  

“A maternidade é a única do estado com atendimento de alto risco para bebê e gestante. Com os 24 leitos iremos dar um melhor atendimento e desafogar a procura que ainda é elevada. Nesse período de pandemia onde as maternidades do interior se transformaram em ala covid, mais pacientes vêm procurado a maternidade através da regulação ou pela procura espontânea”. 

Francisco Macêdo destaca que a maternidade não teve fila de espera durante pandemia, mesmo com o aumento da procura. A  maternidade tem 10 leitos UTI Covid.

“A maternidade não teve problema com falta de kit inbutação, medicamentos vasoativos, neuromusculares, mas isso chega um momento que nos preocupa porque a pandemia é real, é uma doença muito grave, complicada e receamos que o aumento exorbitante de casos poderá gerar problemas, mas até o momento não temos nenhuma fila de espera”, disse o diretor geral. 

Foto: Roberta Aline

Reforma

A maternidade passa por reforma nos setores da farmácia, terminou as obras da ala administrativa (controle interno, setor de compras, faturamento e recursos humanos RH). Francisco Macêdo disse ainda que foi adquirido tomógrafo com sala nova e reformou a casa dos resíduos sólidos. Sobre o restaurante, o diretor geral disse que medidas foram adotadas para evitar aglomerações. 

“Estamos construindo depósitos para que possamos melhorar o atendimento na recuperação e guarda de equipamentos, de materiais e insumos”.

O diretor geral informou que nos últimos três anos, a maternidade recebeu mais de R$ 5 milhões de investimentos entre equipamentos e obras. 

“Estamos esperando só a ordem de serviço do secretário de Saúde para iniciar a reforma de mais 51 banheiros na maternidade”. 

 

Yala Sena
[email protected]

Imprimir