Cidadeverde.com
Esporte

Ceará perde para o Jorge Wilstermann-BOL na altitude e dá adeus a Sul-Americana

Imprimir

O Ceará dependia apenas de si para conquistar a classificação às oitavas de final da Copa Sul-Americana, mas acabou sentindo a altitude de 2.560 metros acima do nível do mar e perdeu para o Jorge Wilstermann-BOL, por 1 a 0, no estádio Félix Capriles, em Cochabamba, na Bolívia, pela última rodada do Grupo C.

A perda da invencibilidade, aliada à vitória do Arsenal de Sarandí-ARG sobre o Bolívar-BOL, por 3 a 1, fez o Ceará terminar na vice-liderança da chave com nove pontos, dois a menos que os argentinos. O Jorge Wilstermann somou seu quinto ponto e continuou na lanterna.

Eliminado na Sul-Americana, o Ceará concentra suas forças no Brasileirão. Neste domingo, o time faz a estreia contra o Grêmio, às 16 horas, na Arena Castelão, em Fortaleza. No último fim de semana, o Ceará perdeu o título estadual para o rival Fortaleza, portanto, tenta se recuperar.

Pelo primeiro tempo, parecia que o Jorge Wilstermann é quem precisava da vitória para avançar às oitavas de final. Fazendo valer a altitude, o time boliviano não deixou o Ceará respirar e criou inúmeras chances. Mas encontrou pela frente um paredão chamado Richard.

O goleiro do Ceará fez pelo menos três boas defesas nos 45 minutos iniciais. A principal delas veio já nos acréscimos. Serginho cruzou e Osório, dentro da área, testou o reflexo de Richard. A única chegada do time brasileiro foi em um chute rasteiro de Lima defendido por Banegas.

O panorama da partida não mudou muito depois do intervalo. O Jorge Wilstermann tinha mais a posse da bola e chegou a acertar a trave com o Osório em chute colocado de fora da área. A resposta do Ceará veio no contra-ataque, mas a finalização de Yony González saiu pela linha de fundo.

A situação alvinegra ficou ainda mais difícil aos 30 minutos. Pato Rodríguez recebeu de Serginho, fez fila dentro da área e mandou no ângulo de Richard. O Ceará sentiu muito o gol do Jorge Wilstermann e não teve forças sequer para buscar o empate.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir