Cidadeverde.com
Últimas

Vacinados são menos de 1% das mortes nos EUA em maio

Imprimir

Foto: Luis Lima Jr /Fotoarena/Folhapress

Quase todas as mortes por covid nos EUA agora são de pessoas que não foram vacinadas, uma demonstração impressionante de como as vacinas são eficazes e uma indicação de que as mortes por dia - agora abaixo de 300 - poderiam ser praticamente zero se todos tomassem a vacina.

Uma análise da Associated Press com base em dados oficiais de maio mostra que infecções em pessoas totalmente vacinadas foram 1,2 mil das mais de 853 mil hospitalizações por covid-19 - cerca de 0,1%. E apenas cerca de 150 das mais de 18 mil mortes em maio ocorreram em pessoas totalmente vacinadas - cerca de 0,8%, ou 5 mortes por dia, em média. A AP analisou dados do Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

No início do mês, Andy Slavitt, ex-conselheiro do governo no combate à covid-19, sugeriu que 98% a 99% dos americanos que morrem de coronavírus não estão vacinados. A diretora do CDC, Rochelle Walensky, afirmou que a vacina é tão eficaz que "quase todas as mortes por covid-19, especialmente entre adultos, são totalmente evitáveis atualmente".

As mortes nos EUA despencaram de um pico de mais de 3.400 por dia, em média, em meados de janeiro, para 300. Cerca de 63% de todos os americanos elegíveis para tomar a vacina - aqueles com 12 anos ou mais - receberam pelo menos uma dose, e 53% estão totalmente vacinados, de acordo com o CDC.

Embora a vacina permaneça escassa em grande parte do mundo, a oferta dos EUA é tão abundante e a demanda caiu tão drasticamente que as vacinas permanecem sem uso. Ross Bagne, pequeno empresário de 68 anos de Cheyenne, no Estado do Wyoming, não se vacinou. Ele morreu infectado no dia 4 de junho, depois de passar mais de três semanas no hospital. "Ele nunca saiu de casa, Então, não achou que fosse pegar", disse sua irmã, Karen McKnight.

As mortes evitáveis continuarão, segundo os especialistas, com foco em pessoas não vacinadas, no outono e no inverno. Ali Mokdad, professor de ciências métricas de saúde da Universidade de Washington, em Seattle, disse que a modelagem sugere que o país atingirá 1.000 mortes por dia novamente no próximo ano, por causa dos não vacinados.

No Arkansas, que tem uma das taxas de vacinação mais baixas do país, com apenas 33% da população totalmente protegida, os casos, hospitalizações e mortes estão aumentando. "É triste ver alguém ir para o hospital ou morrer quando isso pode ser evitado", tuitou o governador Asa Hutchinson.

No condado de King, em Seattle, autoridades registraram apenas três mortes durante um período recente de 60 dias de pessoas que foram totalmente vacinadas. O restante, cerca de 95% das 62 mortes, as vítimas não tinham vacina. "Esses são todos pais, avós, irmãos e amigos de alguém", disse Mark Del Beccaro, que lidera um programa de vacinação no condado. "São mortes evitáveis."

"Em St. Louis, mais de 90% dos pacientes hospitalizados com covid não foram vacinados", disse o médico Alex Garza. "A maioria expressa algum pesar por não ter sido vacinada. Esse é um lamento bastante comum que ouvimos."

Bagne, que morava sozinho, estava fechando sua empresa e planejava se aposentar quando adoeceu. "Ele era um cara muito inteligente", disse a irmã. "Eu gostaria que ele tivesse tomado a vacina, e estou triste por ele não ter entendido como isso poderia ter evitado que ele pegasse covid." (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir