Cidadeverde.com
Política

Deputada Marina Santos diz que Solidariedade vota 90% com pautas do Governo

Imprimir

A deputada federal Marina Santos (Solidariedade-PI) declarou que vai se candidatar à reeleição. Em entrevista ao Jornal do Piauí, nesta quinta-feira (01), a parlamentar também destacou o alinhamento com o presidente Jair Bolsonaro e disse que, na Câmara,  o partido "vota mais de 90% com as pautas do Governo". 

A declaração da deputada foi em resposta ao questionamento se, em 2022, o Solidariedade poderia apoiar o ex-presidente Lula, diante da proximidade entre o presidente do Solaridariedade, Paulinho da Força, com o petista. 

"O Paulinho tem um alinhamento com o Lula, mas é um alinhamento pessoal. Ele não faz essa exigência com o partido [...] o presidente Paulinho deixa a gente totalmente livre, o partido é muito plural, o partido não impõe que eu tenha que votar em A ou B. Inclusive, pode puxar a votação que o Solidariedade vota mais de 90% com as pautas do Governo", disse a deputada. 

Marina Santos revelou que nunca deixou de receber convites para se filiar a outros partidos. Contudo, a deputada afirma que se mantém no Solidariedade. 

"Assédio de vários partidos. Mas eu não tenho proposta, nem conversa. Nada disso! eu tenho minha posição no Solidariedade e, se um dia eu vier a sair é com o consentimento do Marcos, do deputado Evaldo e com a consciência do presidente Paulinho", disse. 

Para a parlamentar, seu desempenho como deputada federal a credencia para disputar a reeleição. 

"A gente está fazendo um trabalho muito forte na Câmara, principalmente, pelo bem do Piauí e isso me deixa tranquila em voltar para a população e pedir, mais uma vez, um voto de confiança. Acredito que o Solidariedade tem plena capacidade de formar uma chapa que venha eleger um deputado federal. Eu tô encontrando, cada vez mais, ações que me animam a continuar e a prosseguir", disse a parlamentar.

Além de política, Marina Santos destacou as ações como parlamentar, a exemplo da aprovação da ampliação do teste do pezinho pelo SUS, que tem um ano para ser efetivamente colocado em prática, além do diálogo com o embaixador do Irã no Brasil, Hossein Gharibi, sobre investimentos e negócios entre o Piauí e o Irã.


Graciane Sousa
[email protected]

Imprimir