Cidadeverde.com
Entretenimento

Amy Winehouse mantinha jukebox carregada de rock em pub que proibia drogas

Imprimir

 

A segunda casa de Amy Winehouse em Londres era um pub chamado Hawley Arms, no festivo bairro de Camden Town. Descrito como um retrô pub com ambiente rock'n'roll, é bom saber que ele tenha sobrevivido à pandemia e ainda está lá no número 2 da Castlehaven Road, com fotos e quadros autografados por Amy.

O que provavelmente sumiu após esses dez anos desde que a artista morreu foi o seu quarto secreto no terceiro andar. Era um cubículo com sofás de couro, cortinas negras, uma cabeça de cervo prateada na parede e num canto, atraindo o centro das atenções, uma máquina de jukebox, dessas que você coloca ficha e ouve as canções. O gerente do Hawley Arms na ocasião, Craig Seymour, disse que Amy insistia por uma mesa de sinuca, mas que não havia espaço para tal ali.

"Ela chega com amigos, geralmente nas quartas-feiras, e, quando fica muito lotado, vai lá pra cima, no quarto privado. Paga tudo em dinheiro. Quando é muito tarde e não há mais ônibus, vou junto para a casa dela e durmo lá. Sem problemas", contou o bartender Lucas Barnfield na reportagem que saiu na Serafina em dezembro de 2010.

Era uma jukebox de respeito, que ajuda a entender por que Amy cantou o que cantou e compôs o que compôs. Há muito blues e rock dos primórdios, como John Lee Hooker ("Boom Bom"), Chuck Berry ("Johnny B. Goode") e Elvis Presley ("It's Now or Never"). Por outro lado, há poucas cantoras e uma delas é Nancy Synatra ("These Boots Are Made for Walking").

Diversos James Brown ("I Feel Good", "Sex Sex Sex" e "Sex Machine", entre outras). Muito rock dos anos 1960, tipo Beatles ("Rain", "Day Tripper", "We Can Work It Out" e "Paperbak Writer"), Kinks ("Dedicated Follower of Fashion") e Who ("I Can See for Miles"), e dos anos 1970, como Elton John ("Rocket Man", "Your Song", "Daniel"), David Bowie ("Rebel Rebel", "Changes") e The Clash ("London Calling", "This Is Radio Clash").

Amy escutava pouco dos anos 1980 (ela nasceu em 1983), como demonstra a presença de The Smiths ("Panic", "The Boy With the Torn in His Side") e Depeche Mode ("Just Can't Get Enough"). E um punhado de bandas que faziam sucesso à época, caso de Libertines ("Up the Bracket"), Strokes ("Some Day") e Art Brut ("Good Weekend").

Tudo isso junto e misturado pode ser ouvido em "Frank", primeiro disco da cantora, de 2003, e, principalmente, em "Back to Black", de 2006, com o som retrô dançante que transformou Amy em estrela em 2007 e lhe reservou seis prêmios Grammy em 2008.

Amy escutava pouco dos anos 1980 (ela nasceu em 1983), como demonstra a presença de The Smiths ("Panic", "The Boy With the Torn in His Side") e Depeche Mode ("Just Can't Get Enough"). E um punhado de bandas que faziam sucesso à época, caso de Libertines ("Up the Bracket"), Strokes ("Some Day") e Art Brut ("Good Weekend").

Tudo isso junto e misturado pode ser ouvido em "Frank", primeiro disco da cantora, de 2003, e, principalmente, em "Back to Black", de 2006, com o som retrô dançante que transformou Amy em estrela em 2007 e lhe reservou seis prêmios Grammy em 2008.

IVAN FINOTTI
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) 

Imprimir