Cidadeverde.com
Geral

Produção de grãos deve crescer 27% nos próximos dez anos

Imprimir


A tendência de desenvolvimento rural deve continuar nos próximos anos. E os grãos estão entre os principais contribuintes para esse cenário. Nos próximos dez anos, a produção deve atingir 333,1 milhões de toneladas.

Se esse desempenho for comparado à produção nacional na safra 2020 – 2021, deve haver um acréscimo de 71 milhões de toneladas – uma alta de 27,1% a uma taxa de crescimento de 2,4% ao ano. Soja, milho de segunda safra e algodão devem continuar puxando o crescimento da produção de grãos.


Esses números promissores foram divulgados pelas Projeções do Agronegócio, Brasil 2020/21 a 2030/31 – um levantamento conjunto feito pela Secretaria de Política Agrícola (SPA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), pela Secretaria de Inteligência e Relações Estratégicas (Sire) da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e pelo Departamento de Estatística da Universidade de Brasília (UnB).

O contexto favorável é um estímulo a mais para o desenvolvimento produtivo. E como uma coisa puxa a outra, o momento é de investir em mão de obra qualificada, maquinários, pulverizadores à venda e outros itens que contribuam para construir uma infraestrutura adequada para atender à demanda.

A automação é parte importante para um crescimento contínuo. E equipamentos como pulverizador autopropelidos são fortes aliados para garantir um cultivo e colheitas com segurança e garantia de qualidade do produto final. Também conhecido como equipamento automotriz ou autopropulsor, essas máquinas de alto desempenho conseguem fazer a pulverização de 15km/h a 30 km/h. De modo geral, a ideia é promover o crescimento da lavoura de acordo com as expectativas da produção nacional. 

Fatores de crescimento

De acordo com o estudo, o mercado interno, as exportações e os ganhos de produtividade devem ser os principais fatores de crescimento da produção na próxima década. O avanço de inovações deve continuar permeando as atividades no campo, pois há grande atrativo para novas tecnologias.


Da Redação
[email protected]

 

Imprimir