Cidadeverde.com
Política

Estados cobram liberação de 6,9 milhões de doses paradas no Ministério da Saúde

Imprimir


Em reunião com os secretários Estaduais de Saúde e o governador Wellington Dias (PT), o Ministério da Saúde prometeu agilizar a liberação de 6,9 milhões de doses de vacinas paradas no Centro de Distribuição em São Paulo. O representante do Ministério disse ainda que vai compensar doses de vacinas para as cidades que receberam abaixo do percentual da população.

Uma das capitais que tem reclamado de receber doses a menos é Teresina. A Fundação Municipal de Saúde já chegou a enviar três ofícios pedindo cota extra de cerca de 50 mil doses.

Levantamento do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde de todo o País constata que as regiões mais prejudicadas são no Nordeste e Norte.   

“Foi celebrado um termo tripartite em que coloca a partir da distribuição dessa semana as condições de equalizações desse desequilíbrio da entrega das vacinas para os estados. Quem proporcionalmente receber menos vai proporcionalmente receber mais até que se tenha o equilíbrio”, disse o governador. 

Doses paradas 

O Ministério da Saúde possui 6,9 milhões de doses das vacinas da Pfizer e da Coronavac contra covid-19 paralisadas no centro de distribuição da pasta, que fica localizado vizinho ao aeroporto de Guarulhos, em São Paulo.

A Saúde pretende determinar o envio de 3 milhões de doses a diferentes Estados do País até o próximo fim de semana. Os 3,9 milhões restantes ainda precisam do aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O governador Wellington Dias, que coordena o diálogo dos Estados sobre a pandemia do coronavírus, conversou com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e foi informado sobre a quantidade em estoque e a perspectiva de liberação.

"(Queiroga) disse que chegou a 6,9 milhões de doses (parados no centro de distribuição) e que conseguiu cumprir a regra de autorização sobre qualidade. De hoje para amanhã vai distribuir 3 milhões e falta esta autorização (da Anvisa) para liberar 3,9 milhões", afirmou Dias.

Por causa da falta de doses, o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PSD), decidiu suspender a vacinação por idade nesta quinta-feira, 12.

"Recebemos nessa manhã só 37.962 doses. Para vacinar Grupo de 24 anos precisamos de 68 mil. Não vamos usar nosso estoque de 2ª dose. Com isso, suspenderemos a vacinação da primeira dose de amanhã. Só lembrando: Rio com muitos casos de Delta e estoque do ministério é 11,2mi de doses", afirmou o prefeito do Rio nesta quarta-feira, 11.

Hoje, Paes afirmou que torce pela chegada de novas doses no fim de semana. "Com as doses que já temos e com as que estão chegando hoje, conseguimos garantir para amanhã(sexta) a vacinação das pessoas com 24 anos e para sábado as pessoas de 23 anos. Torcemos muito para que o Ministério da Saúde envie mais doses nesse fim de semana", declarou por meio do Twitter.

O atraso na distribuição das vacinas para os Estados e municípios foi motivo de um embate entre o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB) Em entrevista coletiva realizada nesta quarta-feira, 11, Doria declarou que o ministro que mentiroso.

"As áreas técnicas do Ministério da Saúde e da secretaria estadual de Saúde tem algumas divergências em relação a metodologias de cálculos de doses de imunizantes de tal maneira que conversamos de maneira muito detida e, inclusive, com as áreas técnicas e demos uma missão a eles de chegarem a um denominador comum", declarou o ministro após a reunião. 

 

Da Redação (com informações do Estadão)
[email protected]

Imprimir