Cidadeverde.com
Política

Wellington Dias critica Bolsonaro e diz que PIB do Brasil cresce "como rabo de cavalo"

Imprimir

Foto: Roberta Aine/ Cidadeverde.com

O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), comentou o levantamento da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento (OCDE) que mostra que o Brasil teve variação negativa do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre do ano, comparativamente ao três meses anteriores. O chefe do executivo estadual atribuiu o desempenho negativo à forma de liderança do presidente da República Jair Bolsonaro e disse que o PIB  está "crescendo para baixo como rabo de cavalo". 

“Os países do mundo inteiro tiveram crescimento econômico no último trimestre, numa média de 3% de crescimento e o Brasil é o único negativo, crescendo para baixo como rabo de cavalo, com -0,1. E o presidente da República do nosso país declarando o tempo todo guerra artificial para gerar factoides: com os poderes, guerra com os governadores, guerra com os municípios… os mais pobres são os que mais sofrem. Por isto defendemos todos os líderes ficando na pauta maior do povo brasileiro”, declarou o governador. 

No topo dos países com percentual positivo estão Portugal (4,9%), Reino Unido (4,80%) e Áustria (4,3%). Já o Brasil aparece com -0,1%.

Para Wellington Dias falta diálogo entre os poderes. Nesta quinta-feira (02), o governador- que é presidente do Consórcio Nordeste e Coordenador no Fórum Nacional de Governadores- terá uma reunião com Rodrigo Pacheco (DEM-MG), presidente do Senado. O grupo solicitou reuniões com representantes dos três Poderes, mas não teve retorno da Presidência da República.

“Nenhum líder do mundo governa dando bons resultados só com pirotecnia. Tem é que trabalhar e é muito, dialogar e é muito, integrar esforços para dar resultados e ninguém faz nada sozinho. Governar é capacidade de articular, de somar e não de dividir. O Brasil está derretendo, sem rumo e sem estratégia como outros fizeram para superar a maior crise da história do mundo”, disse Dias. 

Graciane Sousa
[email protected]

Imprimir