Cidadeverde.com
Geral

Strans cruza dados sobre bilhetagem e 255 mil gratuidades em Teresina

Imprimir

Foto: Roberta Aline

Os empresários dos quatro consórcios de ônibus apresentaram na sexta-feira (17) uma planilha financeira e um cronograma para tentar resolver o impasse da crise no transporte coletivo. 

Entre as novidades está a informação de que o atual sistema banca 255 mil gratuidades na passagem. De acordo com levantamento do consórcio SITT (Sistema Integrado de Transporte de Teresina) o sistema vai precisar inicialmente de 200 ônibus na frota. Atualmente, funciona com 145 veículos. 


Quem tem direito a gratuidade

Estudantes
Idosos
Pessoas com deficiência
Policial militar
Policial civil
Agente penitenciário
Oficial de justiça

O portal Cidadeverde.com conversou com integrantes do Consórcio de ônibus que não revelaram o valor de recursos necessário, espécie de auxílio emergencial, para colocar em prática a proposta da prefeitura. 

Os representantes do consórcio protocolaram a proposta que será analisada pela Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans). Segunda-feira voltam a negociarem os termos. 

A Strans vai fazer o cruzamento de dados levando em conta os gastos apresentados pela SITT e vai dizer valor médio para o sistema voltar dentro da proposta da prefeitura.  A prefeitura não abre mão da bilhetagem eletrônica e analisa os dados apresentados pelos empresários. 

"Fizemos o protocolo da planilha de gratuidades, e dos impactos financeiros desse benefício. O relatório leva em consideração as gratuidades transportadas (estudantes, integração e categorias) referentes aos meses de janeiro a agosto de 2021. Também encaminhamos uma perspectiva de cronograma, tão logo se estabeleça o auxílio do Município. As gratuidades transportadas são um parâmetro inequívoco e temos esperança de que seja referendado para a construção do auxílio financeiro ao sistema de transporte coletivo", disse.

Segundo Naiara Moraes, as empresas não abrem mão de direitos adquiridos. 

"As demais discussões de contrato, como repasses e outros valores, continuarão em tratativas, ao mesmo tempo em que se busca uma solução para a retomada dos serviços a partir desse termo de compromisso. Os consórcios e as empresas reafirmam que não abrem mão de direitos assegurados por contrato", conclui a representante do Consórcio SITT.

 

 

Flash Yala Sena
[email protected]

Imprimir