Cidadeverde.com
Geral

Defesa do jornalista Arimatéia Azevedo questiona prisão e pede habeas corpus

Imprimir

Foto: Reprodução/TV Cidade Verde

Atualizada às 11h55

O jornalista Arimateia Azevedo, preso na manhã desta quinta-feira (07) por determinação judicial, passou por audiência de custódia no Fórum Criminal de Teresina e foi encaminhado para a penitenciária Irmão Guido, na BR 316. De acordo com o advogado Paulo Germano Aragão, que representa o jornalista, Arimatéia deve ocupar uma sala de estado maior no presídio, devido à idade avançada (68 anos) e os problemas de saúde que enfrenta.

Arimateia Azevedo e o advogado Rony Samuel são investigados em um inquérito que apura uma suposta tentativa de extorsão contra um empresário do ramo de medicamentos. 

Segundo o advogado de defesa, um pedido de habeas corpus foi apresentado ao poder judiciário para revogar a prisão preventiva.  Paulo Germano Aragão diz que Arimatéia Azevedo não tinha conhecimento da troca de mensagens entre o advogado Rony Samuel e o empresário que foi vítima, apontada pelas investigações como uma tentativa de extorsão. 

“Ele na verdade foi uma vítima no processo. O que está sendo dito é que o sujeito chamado Rony, que é uma pessoa que passa informação para os jornalistas, uma fonte, teria achacado o empresário. Não utilizou o nome de Arimatéia Azevedo e nem o empresário, no depoimento, não utilizou o nome do Arimatéia Azevedo. De maneira impressionante, uma decisão manda prender o Arimatéia. A prisão é teratológica, fora do normal”, destacou o advogado. 

A defesa também questiona o fato de a prisão ter sido decretada sem o jornalista ter sido ouvido durante as investigações. “Os direitos fundamentais dele não foram respeitados. É um homem de 68 anos que acabou de passar por uma cirurgia cardíaca”, disse.

Matéria original 

O jornalista Arimateia Azevedo foi preso na manhã desta quinta-feira (07) pela Polícia Civil. A informação foi confirmada ao Cidadeverde.com por uma das filhas do profissional, que disse que ele estava em casa, na zona sudeste de Teresina, no momento em que foi levado pela Polícia. 

Sem dar maiores detalhes, a filha de Arimatéia informou que acompanha a situação. 

Além de Arimateia Azevedo, o advogado Rony Samuel de Negreiros Nunes também foi preso pela Polícia Civil nesta quinta-feira (07) no município de São Raimundo Nonato, onde atua no cargo de ouvidor geral da prefeitura. 

Os dois são investigados em um inquérito que apura a possível prática de extorsão contra o empresário Thiago Ramos Duarte, proprietário de uma distribuidora de medicamentos. A investigação é presidida pela Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI). 

De acordo com a polícia, a tentativa de extorsão se deu através de pedido de dinheiro para colocar fim à publicação de notas sobre a empresa da vítima em uma coluna jornalística. 

Os mandados de prisão foram expedidos pelo juiz Valdemir Ferreira Santos, coordenador da Central de Inquéritos de Teresina. 

Essa é a segunda vez que o jornalista é preso em pouco mais de um ano. Em junho do ano passado, ele foi alvo de uma operação realizada pelo Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco), acusado da prática de extorsão contra um médico da capital. 

Na ocasião, o jornalista teve a prisão domiciliar concedida dias após ser detido. Em novembro, por decisão do Superior Tribunal de Justiça(STJ), ele foi solto e passou a responder ao processo em liberdade. 

 

 

 

Natanael Souza
[email protected]

Imprimir