Cidadeverde.com
Esporte

Grêmio tenta reagir após saída de Felipão, surpreso com demissão

Imprimir

Luiz Felipe Scolari acertou uma saída em comum acordo com o Grêmio, depois da derrota para o Santos no domingo (10), pelo placar de 1 a 0, mas, ainda assim, foi surpreendido. 

O treinador não esperava o fim da quarta passagem pelo clube gaúcho após a 25ª rodada do Campeonato Brasileiro. A diretoria e o técnico fecharam acordo no início da madrugada de segunda-feira (11), em hotel em São Paulo.

Grêmio e Felipão haviam assinado contrato com validade até dezembro de 2022. O agora ex-treinador gremista receberá mais um mês de salário, a título de indenização pelo término do vínculo antes do previsto.

A saída de Scolari foi selada depois da meia-noite, mas começou a ser debatida logo após o jogo na Vila Belmiro. 

Nas entrevistas coletivas, no entanto, o treinador e a diretoria não indicaram o fim da passagem. Felipão, inclusive, se mostrou atendo às próximas rodadas e à luta para sair da zona de rebaixamento.

O Grêmio, no entanto, chegou a conclusão que era hora de mexer, que o elenco precisava de uma nova tentativa de reação no campeonato. Os quatro jogos sem vitória em sequência pesaram, incluindo dois confrontos diretos com Sport e Santos.

A conversa entre dirigentes e Felipão é citada, pelos dois lados, como tendo sido de alto nível. Ainda assim, se estendeu por quase uma hora e meia. Ao final, as partes toparam assinar comum acordo -o acerto desta forma permite ao Grêmio contratar mais um treinador e não ferir o regulamento específico do Campeonato Brasileiro.

Por enquanto, o time tricolor terá o auxiliar permanente Thiago Gomes à frente do elenco interinamente. Ele já estará à beira do gramado no confronto com o Fortaleza às 20h30 desta quarta-feira (13), no Castelão, pela 26ª rodada do Brasileiro.

Luiz Felipe Scolari comandou o Grêmio em 21 partidas na atual temporada. Somou nove vitórias, três empates e nove derrotas no período, o equivalente a quase 48% de aproveitamento.

A quarta passagem de Felipão pelo Grêmio tem como principal marco a reação na tabela -o time saltou de dois pontos em oito rodadas para 23. A melhora, no entanto, não foi o bastante para tirar o time da zona de rebaixamento: chegará à Fortaleza na vice-lanterna, a cinco pontos do Santos, primeiro time fora do Z-4.

Neste período, o clube também buscou Mathias Villasanti, do Cerro Porteño (PAR), Miguel Borja, do Palmeiras, e Jaminton Campaz, do Tolima (COL), como reforços para encaixar no time de Scolari. Nos bastidores, porém, houve relatos de relação conturbada entre o grupo de jogadores e auxiliares do treinador.

O primeiro nome que o Grêmio buscou para a vaga de Felipão foi Roger Machado, tal qual aconteceu em 2015. O ex-treinador do Fluminense, no entanto, indicou que não topa assumir o time agora. Alas da diretoria ainda defendem um movimento para insistir com o ex-lateral esquerdo.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir