Cidadeverde.com
Política

Wellington Dias confirma interesse em diálogo para trazer Zé Filho para chapa governista

Imprimir

Foto: Roberta Aline/ Cidade Verde

O governador Wellington Dias (PT) confirmou nesta segunda-feira (25) o interesse em dialogar com o presidente da das Indústrias do Piauí (FIEPI),  Zé Filho (PSDB),  afim de trazê-lo para a chapa governista para a eleições de 2022. 

Conforme adiantado pelo colunista Elivaldo Barbosa, está em andamento articulação política para que o ex-governador dispute a na primeira suplência de senador na chapa de petista.

“O que posso dizer é que  o ex-deputado Zé filho já estivemos  juntos, eu ele o pai dele, na eleição de 2002, foi eleito vice-governador com meu apoio. Ou seja, temos uma relação boa e a decisão que for boa para ele terá toda a animação. Claro [que estou], aberto ao diálogo na hora em que [ele] quiser conversar”, frisou.

Wellington Dias também confirmou desejar o apoio do prefeito de Teresina, Dr. Pessoa (MDB), em 2022. O gestor tem dados declarações em que afirma estar descontente com o grupo emedebista e desde então passou a ser sondado pela grupo da oposição ligado ao ministro Ciro Nogueira (Progressistas). 

“A minha dedicação é para estar do lado, trabalhando junto com o prefeito Dr. Pessoa, que tem muita sensibilidade e ao mesmo tempo para que a gente possa estar junto em uma estratégia política. Claro que neste instante, o olhar tanto dele quanto meu é cuidar do que o povo precisa.

Acerca da formação das chapas proporcionais, o governador adiantou que a base deverá passar por uma reorganização. Isso porque devido o fim das coligações, algumas das siglas enfrentam dificuldades. 

“Esse ano está um pouco mais nervoso com o fim da coligação e chegará um momento em que teremos que fazer uma verdadeira reorganização partidária, alguns partidos conseguirão fazer chapas para estadual e federal, outros  terão mais dificuldade e temos que dialogar para ver a melhor estratégia do ponto de vista geral, mas de cada um, de  ter uma base grande na Alepi e no Congresso”, avaliou. 

Paula Sampaio
[email protected]

Imprimir