Cidadeverde.com
Últimas

Em 1º dia de greve, Strans diz que 30% da frota está circulando e usuários reclamam de demora

Imprimir
  • 1º_DIA_GREVE_ÔNIBUS_(19).jpg Roberta Aline
  • 1º_DIA_GREVE_ÔNIBUS_(18).jpg Roberta Aline
  • 1º_DIA_GREVE_ÔNIBUS_(17).jpg Roberta Aline
  • 1º_DIA_GREVE_ÔNIBUS_(16).jpg Roberta Aline
  • 1º_DIA_GREVE_ÔNIBUS_(15).jpg Roberta Aline
  • 1º_DIA_GREVE_ÔNIBUS_(14).jpg Roberta Aline
  • 1º_DIA_GREVE_ÔNIBUS_(13).jpg Roberta Aline
  • 1º_DIA_GREVE_ÔNIBUS_(12).jpg Roberta Aline
  • 1º_DIA_GREVE_ÔNIBUS_(11).jpg Roberta Aline
  • 1º_DIA_GREVE_ÔNIBUS_(10).jpg Roberta Aline
  • 1º_DIA_GREVE_ÔNIBUS_(9).jpg Roberta Aline
  • 1º_DIA_GREVE_ÔNIBUS_(8).jpg Roberta Aline
  • 1º_DIA_GREVE_ÔNIBUS_(7).jpg Roberta Aline
  • 1º_DIA_GREVE_ÔNIBUS_(6).jpg Roberta Aline
  • 1º_DIA_GREVE_ÔNIBUS_(5).jpg Roberta Aline
  • 1º_DIA_GREVE_ÔNIBUS_(4).jpg Roberta Aline
  • 1º_DIA_GREVE_ÔNIBUS_(3).jpg Roberta Aline
  • 1º_DIA_GREVE_ÔNIBUS_(2).jpg Roberta Aline
  • 1º_DIA_GREVE_ÔNIBUS_(1).jpg Roberta Aline

Os motoristas e cobradores do transporte coletivo iniciaram nesta quinta-feira (28/10) uma greve por tempo indeterminado em Teresina. O Cidadeverde.com esteve em algumas paradas de ônibus na cidade e conversou com passageiros sobre a situação no transporte coletivo na capital.  

Segundo Rosário Moura, agente de fiscalização da Strans (Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito), 30% dos ônibus estão circulando normalmente desde o início da manhã em Teresina.

“Pelo menos um ônibus por cada linha está circulando normalmente. A Strans também cadastrou alguns outros veículos, mas eles não estão circulando em grande quantidade. São mais os coletivos dos consórcios mesmo”, frisou Rosário Moura à nossa reportagem. 

Durante o tempo que a equipe do Cidadeverde.com esteve na parada localizada no Centro de Teresina, próximo a praça da Bandeira, o fluxo dos coletivos esteve respeitando os 30% e percebeu-se as paradas de ônibus com um fluxo de passageiros normal. 

Contudo, a vendedora Maria Gildete, que trabalha vendendo dindim na região há mais de três anos, garante que esse não é o fluxo normal no local. 

“Comparado aos outros dias está fraco o fluxo. Tinha um rapaz que me disse que estava com meia hora aqui. Geralmente, nos outros dias, não se espera tudo isso não”, declarou a vendedora ao completar dizendo que a quantidade de veículos dos consórcios e daqueles ônibus cadastrados está variando. 

O promotor de vendas Emídio Vitória, que mora na zona Leste de Teresina e trabalha na zona Sul, lamentou a situação dos transportes coletivos em Teresina e falou que por causa das constantes greves e paralisações, tem comprometido boa parte do seu salário utilizando transporte por aplicativo. 

Foto: Roberta Aline 

"A gente, para poder sobreviver, está pagando para poder ir trabalhar nessa cidade porque a gente necessita do emprego. A gente que é jovem, estuda, trabalha, não é fácil, mas essa é a nossa realidade. Eu já fiz um cálculo e ultimamente eu gasto quase 800 reais por mês usando aplicativo para me locomover", detalhou o jovem. 

Emídio Vitória alegou ainda que ficou duas horas esperando um ônibus para ir trabalhar, mas sem sucesso. "Meu gerente me ligou pedindo para eu estar no trabalho porque já havia dado a hora de eu entrar e eu não tinha conseguido pegar o ônibus ainda. O jeito foi ir de transporte por aplicativo. Gastei R$ 40 reais", completou o promotor. 

DECRETO DE CALAMIDADE 

O superintendente da Strans, Major Cláudio Pessoa, confirmou que o prefeito Doutor Pessoa (MDB) vai assinar o decreto que estabelece situação de calamidade no transporte público de Teresina. De acordo com o superintendente, o decreto vai possibilitar que o município contrate empresas para o serviço em caráter emergencial para suprir a demanda dos usuários por transporte coletivo. A situação de calamidade no setor deve durar 180 dias, prazo em que a prefeitura estuda realizar uma nova licitação.

Saiba mais: Superintendente confirma decreto de calamidade e anuncia medidas emergenciais para greve

 

Nataniel Lima
[email protected]

 

Imprimir