Cidadeverde.com
Economia

PIB do Piauí tem retração de 0,6% em relação a 2018 e ocupa 21º lugar no país

Imprimir

Foto: Roberta Aline/ Cidade Verde

O Piauí apresentou um Produto Interno Bruto de R$ 52,78 bilhões em 2019. O valor representa uma retração de 0,6%, em relação ao observado em 2018. As informações foram divulgadas nesta sexta-feira (12) pela Superintendência Cepro da Secretaria Estadual de Planejamento e  Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

Em comparação com os demais estados, o Piauí ocupou a 21ª posição em relação ao valor do PIB e manteve participação de 5% no Produto da Região Nordeste e de 0,7% em relação ao Brasil.

Segundo a secretária estadual de Planejamento, Rejane Tavares, o PIB foi afetado pelo desempenho dos setores de agropecuária, que obtiveram uma variação negativa.

A gestora relembrou que essa queda ocorreu devido ao cultivo da soja, seguimento importante para economia piauiense, e que foi prejudicada por fatores como condições climáticas, preço de insumos e perda de participação do Brasil no mercado internacional. 

“É um índice baixo para a crise que vivemos em 2019, pois esperávamos uma queda maior devido a todos os problemas de inflação da época, a crise política e a crise que o Brasil teve na relação de exportação com a China que interferiu diretamente aqui no Piauí, pois temos aqui a soja como um dos grandes produtos de exportação e que gera o crescimento do nosso PIB, além da questão climática que frustrou a safra da soja “, explicou. 

PIB per capita 

O PIB per capita no estado alcançou o valor de R$ 16.125,00. Em 2018, esse número foi de R$ 15.432,05, havendo, portanto, uma expansão de R$ 692,95 e uma variação nominal de 4,55%.

Crescimento por áreas

No setor de Serviços, as atividades que mais apresentaram ganho de participação foram aquelas que já possuíam peso destacado no setor ao longo dos anos anteriores da série: Administração, Defesa, Educação e Saúde Públicas e Seguridade Social, além de Comércio e Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas. 

As atividades tiveram acréscimo de participação 0,9 ponto percentual no valor adicionado bruto do Piauí, porém, registraram queda em volume.

Destaca-se no setor o crescimento em volume de Artes, cultura, esporte e recreação e outras atividades de serviços (30,96%), bem como Atividades imobiliárias (2,28%); 

A Indústria, por sua vez cresceu 1,9% sobretudo pelo desempenho da atividade de Eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação, a qual respondeu por 3,6% do PIB estadual e que apresentou variação em volume de 5,3% devido ao aumento da geração e distribuição de energia elétrica. 

Segundo setor mais importante, em termos de composição da economia estadual, a Indústria se faz representar também pelas atividades de Construção; Indústrias de Transformação e Indústrias Extrativas, cujas variações em volume foram respectivamente de -0,6%; 2,3% e 4,14%. 

Veja a variação das demais áreas que compõe o PIB do estado:

Política de desenvolvimento econômico

Ainda em entrevista ao Cidadeverde.com, Rejane Tavares criticou a política econômica que tem sido adotada pelo Governo de Jair Bolsonaro (sem partido). A gestora citou os índices do PIB do Brasil na última década, correspondente as gestões petistas, e pontuou que o cenário reflete o tipo de política de desenvolvimento que o país tem adotado. 

“Nos últimos 10 anos tivemos momento em que adotamos políticas de apoio ao desenvolvimento econômico, apoio às atividades produtivas, a inclusão social, que permitiu aos seguimentos de classe entrar nessa dinâmica de consumo, permitiu que o pobre acessasse mercados, e isso permitiu um crescimento no setor de mercados e serviços. Então, se não temos uma política que não vai mais nessa direção, consequentemente, temos quedas nestes setores”, avaliou. 

PIB do Brasil e do Nordeste

O PIB do Brasil foi de R$ 7,38 trilhões em 2019, apresentando um incremento nominal de 5,56 % em relação ao ano de 2018 (385 bilhões). Já no Nordeste, o PIB nominal cresceu em 2019, 4,3%, saindo de R$ 1,00 trilhão em 2018 para R$ 1,04 trilhão em 2019.

Paula Sampaio
[email protected]

Imprimir