Cidadeverde.com
Política

Secretários que vão disputar eleições em 2022 devem deixar indicados, confirma Wellington Dias

Imprimir
  • reunião_secretariado_(17).jpg Roberta Aline
  • reunião_secretariado_(16).jpg Roberta Aline
  • reunião_secretariado_(15).jpg Roberta Aline
  • reunião_secretariado_(14).jpg Roberta Aline
  • reunião_secretariado_(12).jpg Roberta Aline
  • reunião_secretariado_(11).jpg Roberta Aline
  • reunião_secretariado_(9).jpg Roberta Aline
  • reunião_secretariado_(7).jpg Roberta Aline
  • reunião_secretariado_(6).jpg Roberta Aline
  • reunião_secretariado_(5).jpg Roberta Aline
  • reunião_secretariado_(3).jpg Roberta Aline
  • reunião_secretariado_(2).jpg Roberta Aline

Os secretários que vão deixar o governo do estado em 2022 deverão deixar indicados nos comandos das pastas. A informação foi confirmada pelo governador Wellington Dias (PT), nesta segunda-feira (29), após uma reunião a portas fechadas com os gestores no auditório da Secretaria Estadual de Cultura (Secult). 

“Teremos, como tivemos de outras vezes, normalmente, uma pessoa da própria equipe, para que possa não ter descontinuidade nas ações que estão colocados. Alguém que já está lá e já conhece para dar celeridade”, explicou. 

A previsão é de que pelo menos oito gestores deixem as pastas no próximo ano. São eles o secretário de Fazenda Rafael Fonteles (PT), pré-candidato ao governo do estado, além secretários Osmar Junior (PCdoB), Florentino Neto (PT), Fábio Xavier (PL), José Santana (MDB), Janainna Marques (PTB),  superintendente Viviane Moura (Solidariedade) e o Diretor do Departamento de Estradas e Rodagem (DER-PI), Castro Neto (MDB). 

O próprio governador Wellington Dias será um dos que deixará o cargo para concorrer ao Senado Federal e no lugar dele assumirá a vice-governadora Regina Sousa (PT). 

Situação do PL 

Ainda na parte política, Wellington Dias revelou ter dialogado com o presidente estadual do PL, Fábio Xavier.  No Piauí, o partido entrou em crise após o anúncio da filiação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) nos quadros da legenda. O governador pontuou que pretende lidar com a situação com diálogo e adiantou acreditar na possibilidade de pacificação. 

“Aqui hoje estava o deputado e secretário Fábio Xavier e ele colocou que toda a orientação é no sentido de aguardar o que vai acontecer, a partir daí ele está tratando com direção nacional. Aqui é pelo diálogo, queremos o melhor resultado para o time, para cada partido e vamos com muita maturidade tratar sobre as decisões”, disse. 

Celeridade em obras

Na área administrativa, o diálogo entre o chefe do Executivo e os gestores girou entorno da adequação das pastas às regras eleitorais do próximo e a preparação para recessão econômica está prevista para 2022. 

A pauta é especialmente sensível neste ano, uma vez que devido as eleições estaduais existiram limites para celebração de convênios e realização de novas obras. Assim, a cobrança do petista foi para que os secretários dêem celeridade para a realização das obras e ações previstas. 

“A orientação é de um lado priorizar a conclusão de obras, ações e programas e vamos priorizar que estão em andamento. Vamos trabalhar em um plano para aquilo que está planejado para o ano de 2022 na perspectiva de criar na perspectiva de criar um ambiente de investimentos públicos se somando a um ambiente de investimentos privados”, explicou o governador. 

Paula Sampaio
redaçã[email protected]

Imprimir