Cidadeverde.com
Esporte

Após rebaixamento, Grêmio já avalia futuro de Douglas Costa e reformulação do elenco

Imprimir

O Grêmio vai ter que assimilar: está na Série B de 2022. E uma das primeiras medidas que a diretoria quer tomar é reformular o elenco, por conta dos salários altos e incompatíveis com o orçamento da segunda divisão do Campeonato Brasileiro.

Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA

No meio desses questionamentos, está Douglas Costa. Com a maior remuneração do time, o meia-atacante pediu liberação às vésperas da última rodada do Brasileiro para uma festa de casamento e, no jogo derradeiro contra o Atlético-MG, comemorou um gol acenando para a torcida. A tendência é que o camisa 10 não fique. Mas como?

A definição sobre o futuro de Douglas Costa já era assunto nos corredores do Grêmio antes da confirmação do rebaixamento. Depois, então, se tornou tema principal em conversas informais da diretoria.

"O Douglas é um grande jogador. Hoje deu provas mais uma vez. Pena que ele não tem continuidade. É um talento, sem dúvida. Agora, se ele está nos nossos planos? Tem que ver se ele quer permanecer", disse Denis Abrahão, vice-presidente de futebol do Grêmio.

Douglas Costa recebe salário com valor fixo e um adicional, de acordo com o número de partidas realizadas no mês, além de um reforço das luvas do contrato assinado no primeiro semestre. O custo mensal pode chegar a R$ 1,5 milhão.

O dinheiro é, sim, um problema. O Grêmio estima queda entre R$ 60 milhões e R$ 80 milhões nas receitas, com o rebaixamento. Mas o salário alto não é o único motivo para fazer os dirigentes coçarem a cabeça. A atitude preocupa mais.

Nos bastidores, o comportamento de Douglas Costa é criticado. O episódio do pedido para viajar ao Rio de Janeiro, por conta da festa de casamento no Copacabana Palace, não agradou nem um pouco, obviamente. E não foram só os dirigentes que ficaram descontentes -boa parte do elenco teve dificuldade para assimilar essa postura.

"Esse episódio não se encerra aqui. Quando ele voltar de férias, vamos conversar", garantiu Abrahão. É verdade que Douglas Costa foi titular e participou de três dos quatro gols do Grêmio contra o Atlético-MG. 

Mas também é fato que, ao comemorar o quarto gol, o camisa 10 reagiu de forma contida até levantar o braço e acenar para a torcida. O gesto foi considerado enigmático, mas também desrespeitoso.

Afora do dinheiro e aquilo que é descrito como "falta de envolvimento", outro elemento aparece na mesa: o time em si para jogar a Série B.

"O Grêmio vai ter um time forte em 2022, independentemente de quem estiver aqui. Ano que vem temos que montar um time forte para a competição que vamos disputar. Não adianta sonhar com coisas que não são verdadeiras", apontou Vagner Mancini, que afirmou querer permanecer para a segunda divisão.

A tendência é que Grêmio e Douglas Costa mantenham contato ao longo dos próximos dias para discutir o futuro. O meia-atacante está emprestado pela Juventus (ITA) até a metade de 2022, mas o contrato já prevê permanência definitiva, até o final de 2023, caso os italianos não exerçam cláusula até o final deste mês.

Ou seja, o primeiro problema do Grêmio rebaixado em 2021 é grande.

Fonte: UOL/FOLHAPRESS

Imprimir