Cidadeverde.com
Esporte

Copinha volta a ser esperança de garotos após temporada de ansiedade e insegurança

Imprimir

Medo, ansiedade e frustração. Os jovens aspirantes a jogadores profissionais de futebol convivem com uma mistura de sentimentos desde novembro de 2020, quando a Federação Paulista de Futebol anunciou o cancelamento da edição 2021 da Copinha, por conta do avanço da Covid-19 no país.

Mais tradicional torneio de base do Brasil, desde 1969 a Copa São Paulo é a principal esperança de milhares de garotos de conseguirem um contrato profissional. A não realização em 2021 soou para muitos com o fim do sonho.

"Foi um momento de muitas especulações, nada era certeza. Não tinha como planejar o futuro porque o problema que estávamos vivendo era cada vez maior e foi gerando uma certa angústia", afirma o volante Kelvi Chiesa Gomes, 19, do Juventude.

Quando começar a edição de 2022 da Copa São Paulo, em 2 de janeiro, exatos 708 dias vão ter se passado desde a disputa da final em que o Internacional superou o Grêmio nos pênaltis (3 a 1), após um empate no tempo normal (1 a 1), em 25 de janeiro de 2020, no Pacaembu.

De lá para cá, os atletas puderam retomar suas carreiras, interrompidas por quase quatro meses durante o auge da pandemia, mas a ansiedade para voltar a disputar o torneio persiste. 

"Foi um período muito difícil, todo atleta quer jogar, quer treinar, infelizmente a gente não podia fazer naquele momento", diz o atacante Pedro Bahia, 19, do Goiás. "Graças a Deus a vacina chegou e, aos poucos, tudo está voltando ao normal."

Em 2022, 128 clubes vão disputar o campeonato, divididos em 32 grupos. Serão mais de 3.800 jogadores, que em sua maioria sabem que a competição vale muito mais do que a taça. Para eles, é a visibilidade do torneio o que mais os atrai.

"Eu sou de 2002, então esse ano que passou será o meu último. Como não teve a Copinha, a gente sente muito. Ela ocorre num momento que não tem torneio do profissional, então tem muita visibilidade, muita gente quer ver, é bastante importante na nossa trajetória.

Uma boa competição faz com que a gente seja olhado com bons olhos pelo profissional", destaca o volante Wendell, 20, do Botafogo.

A Copinha, que é um torneio sub-20, terá nesta edição jogadores nascidos em 2001, que vão completar 21 anos em 2022. Essa foi uma forma de a Federação Paulista de minimizar o impacto causado pela pandemia e pelo adiamento do último certame.

À época do anúncio do cancelamento da edição 2021, o Brasil ainda não havia iniciado a vacinação contra a Covid-19, que viria a começar em janeiro deste ano, e registrava naquela semana do dia 26 de novembro uma média móvel em sete dias de 31.640 novos casos do novo coronavírus e uma média móvel de mortes de 479 vítimas.

Wendell lembra, ainda, que, durante o período em que todas as atividades esportivas foram suspensas no Rio, inclusive os treinos de futebol, o Botafogo passou a enviar atividades por vídeo para que os jogadores pudessem manter a forma.

"Isso foi bom para a gente não ficar parado. Não é a mesma coisa, mas era uma preparação que ajudou no momento que as coisas voltaram. A gente teve todo suporte do clube, foi importante", diz o volante.

Esse tipo de suporte aos atletas também foi oferecido em alguns clubes do nordeste, como o Fortaleza. O goleiro Hugo, 20, por exemplo, lembra que Rogério Ceni ainda estava no comando do clube no começo da pandemia e teve uma preocupação especial de conversar com os atletas da base sobre o momento difícil.

"Nós tivemos muitas conversas com ele, mas também com toda a comissão técnica do profissional, eles tranquilizaram a gente sobre tudo isso", afirma o jogador, que diz ser fã do ex-goleiro e valorizar a experiência de poder trabalhar com ele.

"Foi incrível. Eu cresci vendo ele jogar. Trabalhando com ele eu aprendi muito. Ele ensinou muitas coisas e não só coisas de goleiro, mas de usar os pés também, que ele cobra muito", destaca Hugo, que gostaria de ver o Fortaleza campeão da Copinha. "Nossa meta é fazer a maior campanha da história do clube."

Até hoje, nenhum clube do nordeste conquistou o torneio. O Bahia, em 2011, teve o melhor desempenho da região, com um vice-campeonato, quando foi superado pelo Flamengo.

O estado com mais títulos é São Paulo, com 30 troféus, sendo 10 deles do Corinthians, o maior campeão da competição de base. Para especialistas, porém, o torneio não deve ser encarado somente pela briga pelo troféu, mas principalmente pela oportunidade de dar experiência aos jovens jogadores.

"A Copa São Paulo tem de ser o encerramento do ciclo do sub-20. Na Copinha, os clubes vão ter mais uma oportunidade de avaliar jogadores que estão estourando a idade. Nem todo clube tem a oportunidade de colocar esses jogadores nos estaduais. Por isso a importância da Copinha", explica Júnior Chávare, que é ex-coordenador da base do Atlético-MG.

VEJA OS GRUPOS E SEDES DA COPA SÃO PAULO DE 2022

Grupo 1 (Votuporanga)
Votuporanguense-SP
Bahia
Monte Azul-SP
Atlético Matogrossense

Grupo 2 (Tanabi)
Tanabi
Vila Nova-GO
Guarani
Aquidauanense-MS

Grupo 3 (Bálsamo)
Mirassol-SP
Sport
Taguatinga-DF
Confiança-SE

Grupo 4 (Lins)
Linense-SP
Atlético-MG
Andirá-AC
Desportivo Aliança-AL

Grupo 5 (Franca)
Francana-SP
Juventude
Ponte Preta
Confiança-PB

Grupo 6 (Matão)
Matonense-SP
Fluminense
Fast Clube-AM
Jacuipense-BA

Grupo 7 (Cravinhos)
Comercial-SP
Criciúma
Nova Iguaçu-RJ
Chapadinha-MA

Grupo 8 (Araraquara)
Ferroviária-SP
Santos
Rondoniense-RO
Operário-PR

Grupo 9 (Iacanga)
União Iacanga-SP
Santa Cruz-PE
Novorizontino-SP
União ABC-MS

Grupo 10 (Jaú)
XV de Jaú
Grêmio
Castanhal-PA
Mixto-MT

Grupo 11 (São Carlos)
São-Carlense-SP
América-MG
São Carlos-SP
Falcon-SE

Grupo 12 (Araras)
União São João-SP
Athletico-PR
Velo Clube-SP
Taquarussú-TO

Grupo 13 (Guaratinguetá)
Manthiqueira-SP
Vitória-BA
XV de Piracicaba-SP
São José-RS

Grupo 14 (Taubaté)
Taubaté-SP
Botafogo
Petrolina-PE
Aparecidense-GO

Grupo 15 (São José dos Campos)
São José-SP
Corinthians
River-PI
Resende-RJ

Grupo 16 (Suzano)
União Suzano-SP
Fortaleza
Ituano
Concórdia-SC

Grupo 17 (Porto Feliz)
Desportivo Brasil-SP
Goiás
Botafogo-SP
Iape-MA

Grupo 18 (Jundiaí)
Paulista
Ceará
São Bernardo FC-SP
Bragantino-PA

Grupo 19 (Jaguariúna)
Jaguariúna
ABC-RN
Red Bull Bragantino
Fluminense-PI

Grupo 20 (Itapira)
Itapirense-SP
Cruzeiro
Retrô-PE
Palmas-TO

Grupo 21 (São Caetano do Sul)
São Caetano
São Paulo
Desportiva Perilima-PB
CSE-AL

Grupo 22 (São Bernardo do Campo)
EC São Bernardo
Londrina
São Bento-SP
Aster Brasil-ES

Grupo 23 (Osasco)
Osasco Audax-SP
Joinville
Santo André
Camaçariense-BA

Grupo 24 (Santana de Parnaíba)
Ska Brasil-SP
Vasco
Rio Claro-SP
Lagarto-SE

Grupo 25 (Mogi das Cruzes)
União Mogi-SP
Internacional
Portuguesa
São Raimundo-RR

Grupo 26 (Guarulhos)
Flamengo-SP
Avaí
Guarulhos-SP
Santana-AP

Grupo 27 (Mauá)
Mauá Futebol
Atlético-GO
Mauaense-SP
Volta Redonda-RJ

Grupo 28 (Diadema)
Água Santa-SP
Palmeiras
Real Ariquemes-RO
Assu-RN

Grupo 29 (Barueri)
Oeste-SP
Flamengo
Floresta-CE
Forte-ES

Grupo 30 (São Paulo - Ibrachina)
Ibrachina
Náutico
Inter de Limeira-SP
Serranense-MG

Grupo 31 (São Paulo - Javari)
Juventus-SP
CRB-AL
Portuguesa Santista-SP
Canaã-BA

Grupo 32 (São Paulo - Nacional)
Nacional-SP
Coritiba
Capivariano-SP
Real Brasília-DF

Fonte: Folhapress

Imprimir