Cidadeverde.com
Vida Saudável

Hospital da Criança tem aumento nos atendimentos a sintomas gripais em Teresina

Imprimir

O Hospital Municipal da Criança, O Hospital Municipal da Criança, que funciona no antigo Hospital do Parque Piauí, na zona Sul de Teresina, vem registrando crescimento na quantidade de atendimentos pediátricos diários. Em entrevista ao Jornal do Piauí nesta terça-feira (4), o diretor da unidade, Robert Alves, afirmou que esse número saltou de 60 para 195 nas últimas 24h.

“Nos últimos 15 dias tivemos um aumento expressivo da quantidade de atendimentos a crianças, sendo destes cerca de 80% de quadros gripais [...] saímos de uma média de 60 a 70 atendimentos por dia, fomos aumentando para 120 e 140. Ontem culminamos com 195 atendimentos pediátricos em um único dia”, relatou o diretor clínico.

O médico explica que os pacientes que chegam a urgência do hospital com quadros gripais geralmente apresentam sintomas leves como tosse, coriza, falta de ar, congestão nasal e dor de garganta, porém ressalta que, em alguns casos, também relatam vômito e diarréia e indícios de quadros mais graves.

“Nossa orientação é hidratar bem a criança, com boa alimentação e repouso para que, não melhorando os sintomas e houver uma piorar, procurar a urgência [...] algumas crianças podem evoluir para uma piora clínica, que precisam de internação hospitalar, por isso é preciso ficar atento”

Ações
Por conta dessa situação, similar em outras unidades de saúde, a Fundação Municipal de Saúde (FMS) já tem reorganizado a estrutura hospitalar da capital para aumentar a capacidade de atendimento infantil, sobretudo às que necessitam de internação. Além do reforço nas equipes médicas e de enfermagem, para melhora na qualidade do serviço, foram abertos 13 novos leitos para internação de pacientes pediátricos com sintomas gripais.

“É uma estratégia preventiva, adotada de acordo com essa grande quantidade de atendimentos para quando tiver uma porcentagem que precisa de internação. Atualmente temos três crianças internadas no nosso setor respiratório. Essa é uma maneira de evitar um colapso nesse sistema, por isso a FMS já está se antecipando”, enfatizou Alves.

Breno Moreno
[email protected]

Imprimir