Cidadeverde.com
Esporte

Real bate Barcelona na prorrogação em jogo eletrizante e vai à final da Supercopa

Imprimir

Em um jogaço definido na prorrogação, o Real Madrid venceu o Barcelona por 3 a 2 nesta quarta-feira (12) e, assim, se garantiu na final da Supercopa da Espanha. A partida foi disputada na Arábia Saudita.

Destaques da equipe de Carlo Ancelotti, os atacantes Benzema e Vini Júnior deram show e balançaram as redes de Ter Stegen. Valverde fechou o placar já no tempo extra. Pelo lado dos catalães, Luuk De Jong e Ansu Fati marcaram.

Com a classificação, o time de Madri vai encarar na decisão o vencedor do duelo entre Atlético de Madri e Athletic de Bilbao, que se enfrentam na outra semifinal do torneio nesta quinta (13).

A partida começou com o Real Madrid incomodando os catalães. Logo aos dois minutos, Benzema recebeu de Asensio e finalizou ao gol de Ter Stegen, que viu a bola passar perto da meta.

Pouco depois, foi a vez de o próprio meia-atacante espanhol assustar, e aos 11, Vini Júnior obrigou o goleiro rival a trabalhar pela primeira vez em chute do bico da área.

O trio ofensivo do Real voltou a causar perigo aos 19 minutos. Em contra-ataque, o brasileiro acionou Benzema. O francês arrancou e devolveu para o colega, que tocou para Asensio chutar por cima do gol do Barça.

De tanto martelar, o Real abriu o placar aos 24 minutos -e com muito estilo. Benzema desarmou Busquets ainda na região do meio de campo e recebeu a bola de Modric, que estava perto do lance.

O centroavante acionou Vini Júnior pela esquerda, aproveitando a subida do lateral Daniel Alves, do Barça. O camisa 20, em velocidade, ganhou de Ronald Araújo no "um contra um" e bateu de perna esquerda, estufando as redes de Ter Stegen.

O gol obrigou o Barcelona a sair para o jogo e tentar agredir o adversário. As chances catalães minutos depois do gol, no entanto, foram pouco enfáticas.

Luuk De Jong, em duas oportunidades, tentou marcar de cabeça após cruzamentos pelo alto. Dembélé, por outro lado, usou a perna direita para finalizar, mas a bola passou em cima do gol de Courtois.

O Barça igualou o placar aos 40 minutos com uma boa dose de sorte -e justamente com De Jong. Daniel Alves lançou o holandês, que não conseguiu dominar e acabou desviando de cabeça para o lado.

Dembélé ficou com a bola e, pela esquerda, cruzou por baixo em direção ao companheiro de ataque. O brasileiro Militão, que foi cortar o lance e afastar o perigo para o Real, acabou chutando na perna do camisa 17 e viu a bola parar na própria rede: 1 a 1 e fim de etapa inicial.

Se o primeiro tempo começou com o Real atacando, a situação se inverteu nos últimos 45 minutos. Com as entradas de Pedri e Ezzalzouli, os catalães subiram a marcação e apertaram o rival.

Logo aos três minutos, Pedri recebeu de Dembélé e, pelo meio, bateu forte ao gol de Courtois. A bola passou perto da trave direita do belga.

No lance seguinte, foi a vez de o francês arriscar de fora da área e, por pouco, não acertar a meta do Real. Aos oito, Dembélé aproveitou erro de Nacho para, mais uma vez, assustar o goleiro. Pouco depois, Xavi colocou Ansu Fati em campo para pressionar ainda mais o adversário.

A reação de Ancelotti, já por volta dos 23 minutos, veio com outro brasileiro: Rodrygo foi chamado e substituiu Asensio.

Em sua primeira participação em campo, o jovem avançou pela direita e acionou Benzema. Dentro da área, o centroavante conseguiu girar sobre Ronald Araújo e carimbou a trave de Ter Stegen.

Três minutos depois, o francês não perdoou. Mendy passou por Daniel Alves e tocou para Benzema, que obrigou Ter Stegen a praticar linda defesa.

No rebote, Carvajal, já na linha de fundo, cruzou por baixo. O goleiro do Barça chegou a desviar a bola com o pé, mas o camisa 9, bem posicionado, aproveitou e empurrou a bola para o fundo do gol: 2 a 1.

Já na casa dos 38 minutos, a aposta de Xavi deu certo e a estrela de Ansu Fati, uma das maiores joias do Barça nos últimos anos, brilhou. Após escanteio curto pela esquerda, Jordi Alba cruzou na medida para o jovem de 19 anos, que testou para o fundo do gol de Courtois.

O 2 a 2 animou os catalães, que quase viraram a partida já nos minutos finais com Dembélé -a zaga do Real evitou o pior. Não houve, no entanto, grandes chances até o fim do tempo normal.

A prorrogação começou com o Barcelona assustando com Ezzalzouli, mas foi o Real Madrid quem chegou ao terceiro gol. Casemiro roubou a bola ainda na defesa e resolveu puxar o contra-ataque ao ver a superioridade numérica de sua equipe no campo de ataque.

Ele avançou pelo meio e rolou para Rodrygo, que disparava pela direita. O atacante, livre, resolveu rolar para o meio da área. Vini Júnior ameaçou bater, mas deixou a bola passar.

O uruguaio Valverde, que havia entrado no lugar de Carvajal depois dos 90 minutos, recebeu e ficou sem marcação para mandar a bola no fundo do gol: 3 a 2.

A segunda metade do tempo extra teve o Barcelona arriscando, principalmente, com Ansu Fati -ele, aliás, chegou a pedir pênalti em lance com a zaga do Real, mas não foi atendido.

Já nos acréscimos, com o duelo totalmente em aberto, Rodrygo teve a chance de liquidar a fatura, mas perdeu um gol cara a cara com Ter Stegen já dentro da área após passe de Benzema. A partida acabou um minuto depois com vitória do time de Ancelotti.

Fonte: UOL/FOLHAPRESS

Imprimir