Cidadeverde.com
Últimas

Governo lança aplicativo para mapear Comunidades de Terreiros nesta sexta

Imprimir

A partir desta sexta-feira (21), o Piauí contará  também com as tecnologias para identificar e registrar informações sobre as Comunidades Tradicionais de Terreiros do estado do Piauí> Trata-se do Aplicativo “Eu Creio”, que será lançado às 14h, no Salão Azul do Palácio de Karnak.

A elaboração do programa é uma parceria da Secretaria da Assistência Social, Trabalho e Direitos Humanos (Sasc), por meio da Superintendência de Direitos Humanos, com a Agência de Tecnologia da Informação do Piauí e os movimentos sociais.

O Aplicativo EU CREIO – Mapeamento Sócio Econômico e Sócio Cultural das Comunidades Tradicionais de Terreiros do Estado do Piauí tem por objetivo identificar a quantidade de comunidades tradicionais de terreiros existentes no Estado e as reais condições sócioeconômicas e culturais.

O Secretário da Sasc, Zé Santana, destaca que o aplicativo “Eu Creio” será de suma importância para o reconhecimento e coleta de dados sobre as comunidades de terreiros de todo o estado, e o seu lançamento, nesta sexta (21),  marcará o início do mapeamento sócio econômico e sócio cultural das Comunidades Tradicionais de Terreiros.“ O aplicativo possibilitará o mapeamento dos terreiros, oferecendo várias funções como geo-localização dos terreiros com seus respectivos endereços, contatos, eventos, calendários oficiais,  cadastramento dos pais e mães de santo, filtros e buscas, notificações de e-mail e mapas”, explica Santana.

O aplicativo poderá ser baixado em aparelhos de celular, tablets e computadores, não tendo custo financeiro e sendo totalmente voltado à colaboração dos povos de terreiros. Ele está sendo desenvolvido pela equipe técnica da  Agência de Tecnologia da Informação do Estado do Piauí – ATI.

Na efetivação dessa importante ação, diversos órgãos de governo foram parceiros sendo os principais a Sasc, por meio da Superintendência de Direitos Humanos/ Gerência de Enfrentamento a Intolerância Religiosa e Apoio às Comunidades Tradicionais, Secretaria de Governo, por meio da SUPRIS, Agência de Tecnologia (ATI) e os parceiros dos seguintes movimentos sociais: Renafro, Aspaja, ANPMA-Brasil, Amofil, Feubra, dentre outras.

Da Redação
[email protected]

Imprimir