Cidadeverde.com
Esporte

Em alta, Edu e Thiago intensificam briga pelo comando do ataque do Cruzeiro

Imprimir

Setor muito criticado nas últimas temporadas, o ataque do Cruzeiro tem proporcionado ao torcedor a possibilidade de acompanhar uma briga jogo a jogo pela posição de matador da equipe.

Edu e Thiago vêm disputando a titularidade no comando ofensivo da equipe celeste e são a esperança de um desempenho melhor.

Ao lado da Caldense, o Cruzeiro tem o segundo melhor ataque do Campeonato Mineiro, com dez gols, sendo que cinco deles foram anotados pela dupla. O Atlético-MG lidera com 14.

Nas temporadas anteriores, nomes como Marcelo Moreno e Rafael Sobis chegaram como esperanças para a artilharia do Cruzeiro, mas o desempenho de ambos foi muito aquém do esperado.

O boliviano deixou o clube na última semana com apenas nove gols em dois anos nesta última passagem pela Toca da Raposa. Sobis, com um ano meio, fez o mesmo tanto de gols.

Thiago e Edu vêm alternando titularidade, sendo que um sempre substitui o outro. As exceções foram os jogos contra a Caldense, no qual Thiago começou no banco, mas terminou a partida ao lado do companheiro, e contra o Tombense, já que Edu não viajou e o jovem da base assumiu a vaga.

Edu encara sua passagem pelo Cruzeiro como a grande chance da vida -palavras ditas por ele mesmo em mais de uma ocasião desde que fechou com o clube.

Dos três gols que ele fez pelo Cruzeiro até agora, um foi logo na sua estreia, contra a URT, e os outros foram nos acréscimos diante da Caldense e do Democrata. 

Nas duas ocasiões, Edu deu a vitória ao time de Belo Horizonte no último minuto, o que o fez cair nas graças do torcedor.

Thiago também balançou a rede na estreia do time no ano, diante da URT. Curiosamente, o gol do jovem da base saiu no momento em que a torcida pedia pela entrada de Edu, que começou na reserva neste dia.

O segundo foi anotado na última rodada, quando o técnico Paulo Pezzolano mandou a campo um time recheado de jovens diante do Tombense, em Tombos, enquanto os titulares ficaram em Belo Horizonte para um tempo maior de descanso devido ao desgaste da maratona de jogos.

Sob o comando de Felipe Conceição, no ano passado, Thiago chegou a treinar separado, pois não fazia parte dos planos do treinador. Com a chegada de Mozart Santos, vários jogadores passaram a ter oportunidades, e Thiago voltou a ser utilizado.

Em diversos momentos, o atleta chegou a despertar interesse de outros clubes, mas as tratativas nunca evoluíram. Em 2020, ele fez três gols na temporada e, em 2021, balançou as redes em quatro oportunidades.

Fonte: UOL/FOLHAPRESS

Imprimir