Cidadeverde.com
Últimas

60% dos municípios do Piauí têm baixa adesão à dose de reforço, alerta membro do COE

Imprimir

Foto: Renato Andrade/Cidadeverde.com 

No Piauí, pelo menos 60% dos municípios registram baixa adesão à dose de reforço da vacina contra a Covid-19, com menos da metade da população elegível com o esquema vacinal completo. O alerta é do médico infectologista José Noronha, membro do Comitê de Operações Emergenciais (COE), que chama atenção para a importância de atualizar a caderneta de vacinação.

Noronha lembra que, apesar das flexibilizações anunciadas na última sexta-feira pelo COE, como a liberação do uso de máscara em ambientes abertos e semiabertos, os municípios não podem relaxar no que diz respeito a imunização. 

“Hoje, a evidência científica que nós temos é que a proteção à Ômicron, para o adulto, é o esquema vacinal mais a dose de reforço. Então, a população tem que ir atrás da sua dose de reforço. Com isso, poderemos manter esse panorama que estamos vivendo agora e, quem sabe, no futuro, estar discutindo uso de máscaras em ambientes fechados. É de suma importância a adesão ao programa de vacinação”, alerta o médico do COE. 

Dados do vacinômetro da Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi), apontam que, dos 224 municípios piauienses, apenas 97 já aplicaram a dose de reforço em mais de 50% da população elegível com 18 anos ou mais. 

Ainda de acordo com o vacinômetro, apenas 44,6 % da população elegível já recebeu a dose de reforço até o momento no Piauí. 

Foto: Yala Sena/Cidadeverde.com

Indicadores 

O médico infectologista José Noronha também avalia positivamente o atual cenário da pandemia no Piauí e os indicadores epidemiológicos, como número de novos casos, internações e ocupação de leitos. 

“Estamos no verde em praticamente todos esses indicadores. Pela primeira vez, em dois anos, estamos em uma situação verde que nos permite avançar nesse processo de reabertura”, destaca. 

Apesar do cenário positivo e das flexibilizações, o COE reforça que as medidas preventivas devem continuar sendo adotadas para evitar um novo aumento de casos. 

“É extremamente importante que a população entenda que isso é uma foto do que está acontecendo no fechamento dessa semana epidemiológica, não quer dizer que a doença acabou”, lembra Noronha. 

 

 

 

Natanael Souza
[email protected] 

Imprimir