Cidadeverde.com
Esporte

Gabigol reforça cuidados com o corpo e cola em lenda do Fla na artilharia

Imprimir

Flamengo, Maracanã e Gabigol. A combinação que embala a torcida rubro-negra segue de vento em popa e o artilheiro mantém a rotina de levantar taças e quebrar marcas.

Ao marcar na vitória por 3 a 1 sobre o Talleres (ARG), o camisa 9 chegou a 23 gols pelo clube na Libertadores, isolando-se ainda mais no posto de maior goleador rubro-negro na competição. 

Somado o gol marcado com a camisa do Santos, ele ficou a um de igualar Fred e Palhinha. Com 29 bolas na rede, Luizão ainda é o brasileiro que mais marcou no torneio continental.

Com o pênalti convertido diante dos argentinos, Gabi chegou aos 115 pelo rubro-negro, ficando a um de Joel, lendário ponta tricampeão carioca em 1953, 1954 e 1955. 

O ex-jogador, reserva de Garrincha na seleção brasileira campeã do mundo de 1958, é considerado um dos maiores da história do clube e ocupa a 16ª posição na tabela histórica de artilheiros.

Com um olho no Fla e um outro na Copa, Gabriel voltou em 2022 com ainda mais dedicação no dia a dia. Ao contrário do que o jeito rebelde pode sugerir, ele é um dos que mais se entrega nas atividades diárias do Ninho do Urubu.

Na pré-temporada, apresentou-se com os valores ideais de percentual de gordura. De janeiro para cá, reduziu a gordura corporal e ganhou massa muscular.

Em jogos, ele é o segundo atleta no quesito alta intensidade e o primeiro em distância percorrida entre os atacantes.

De acordo com os dados coletados pelo Departamento de Saúde e Alto Rendimento (Desar), o jogador, se comparado com anos anteriores, corre mais e se recupera em maior velocidade.

Como é um atleta de poucas variações nestes dados, os profissionais de saúde do clube tratam esse rendimento como "padrão Gabi".

Titular incontestável de Paulo Sousa, Gabriel tem mantido um bom relacionamento com os profissionais da comissão técnica e intensificou o hábito dos trabalhos complementares antes e após os treinos.

Obcecado por recordes e pelo Mundial no Qatar, ele sabe que precisa estar mais inteiro do que nunca.

Fonte: UOL/FOLHAPRESS

Imprimir