Cidadeverde.com
Últimas

Com explosão de casos, Prefeitura de Teresina pede ajuda do Exército contra focos de dengue

Imprimir

Foto: Renato Andrade

A Prefeitura de Teresina anunciou hoje (19) que vai buscar ajuda do Exército e de cerca de 300 detentos para a realização de mutirões no combate à dengue, devido a explosão de casos na cidade.

De janeiro a 11 de abril deste ano, já foram registrados 855 casos na cidade de Teresina. Em 2011, nesse mesmo período, foram 146 casos. Ou seja, um aumento de 478%. A capital já registrou três mortes neste ano. No Piauí, a quarta morte foi registrada hoje (19) em Parnaíba.

Na segunda-feira (18) os mutirões foram iniciados, e para reforçar essa equipe o secretário Edmilson Ferreira, da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Semduh), informou que vai firmar convênios com a Secretaria de Estado de Justiça para a participação inicial de 300 detentos e também com o Exército, em quantidade ainda não especificada.

Em relação aos militares, ainda não se sabe quantos vão poder participar, pois será encaminhado ainda hoje ofício ao 25º BEC pedindo apoio, que irá informar quantos vão poder atuar. “Vamos encaminhar hoje um ofício no 25º BEC, pedindo a colaboração do comandante, que já ofereceu ajuda na ocasião dos alagados, para retirar as famílias dos alagamentos, e vamos agora para cima, com esse conjunto todo para a cidade se livrar desse problema”, afirmou o secretário Edmilson Ferreira.

De acordo com a Sejus, cerca de 300 detentos vão poder participar desses mutirões, que são reeducandos e que estão atualmente no regime semiaberto, ou seja, eles já estão autorizados pela Justiça a saírem dos presídios para trabalhar ou estudar durante o dia, mas devem retornar para o sistema prisional durante a noite.

Foto: Ascom Prefeitura

A Secretaria de Justiça informou que em breve deve ser firmado o convênio para que os presos possam atuar nesses mutirões, com apoio da Polícia Penal e a Guarda Civil Municipal para garantir a segurança.  A secretaria já firmou um convênio semelhante com a Eturb, quando foi utilizada mão de obra carcerária no asfaltamento de vias.

“Estamos trabalhando uma parceria com a Secretaria de Justiça para entrar nesse processo, com os internos que estão em condição de semiaberto, para no início atuar cerca de 300 que serão deslocados para a limpeza nas escolas, nas UPAs e também nas ruas”, disse o secretário.

Os mutirões seguem até o dia 20 de maio, mas ainda pode ser prorrogado, se houver necessidade. Os militares e detentos vão atuar principalmente na limpeza de escolas, terrenos abandonados e vias para evitar água parada onde o mosquito pode se reproduzir.

 

Bárbara Rodrigues
[email protected]

Imprimir