Cidadeverde.com
Geral

Ambientalista denuncia derramamento de chorume em aterro sanitário

Imprimir

Fotos: Reprodução/Dionísio Carvalho

O ambientalista Dionísio Carvalho denunciou o derramamento de chorume, líquido tóxico proveniente da decomposição da matéria orgânica do lixo, no aterro sanitário de Teresina, localizado na zona Sul. Segundo o ambientalista, no local, a estação de tratamento desse resíduo não está funcionando devido a grande quantidade de chorume que está sendo produzido.

“Lá a estação de tratamento de chorume não funciona porque está transbordando, está tendo tanto chorume que está transbordando e isso não poderia acontecer porque é um líquido altamente perigoso com a concentração de metais pesados”, explica Dionísio Carvalho.

Dionísio Carvalho relatou que esteve no local nesse domingo (24) capturando imagens da situação e constatou o material tóxico escorrendo pela vegetação noentorno do aterro sanitário.

“Isso é um crime, não está se tratando e não está tendo um plano de prevenção a desastres. As imagens foram feitas nesse domingo e eu recebei notícias que isso acontece com frequência. O chorume é um líquido extremamente poluente em razão da grande concentração de metais pesados e de substâncias tóxicas, além da elevada concentração de potenciais patógenos e contaminantes diversos presentes em resíduos dispostos de forma inadequada”, acrescenta.

O ambientalista destacou ainda que esteve na manhã desta segunda-feira (25) na Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente para a realização de um Boletim de Ocorrência contra a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Semduh) e empresa responsável pela limpeza pública de Teresina.

“Estamos fazendo um boletim na Delegacia de Meio Ambiente contra a Semduh e a Litucera. Vamos ao Ministério Público protocolar uma ação solicitando a desativação do aterro de Teresina. Esse resíduo tem que sair de Teresina porque a população do entorno é afetada por esse aterro sanitário na cidade”, diz Dionísio Carvalho.

Em nota, a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Semduh) informou que as chuvas intensas dos últimos dias provocaram na manhã do domingo (24), o rompimento de uma barreira de contenção entre uma lagoa e o aterro sanitário e que o problema foi resolvido no mesmo dia pela empresa responsável pela limpeza pública da capital.

Confira nota da Semduh na íntegra: 

A Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SEMDUH), informa que as chuvas intensas dos últimos dias provocaram o rompimento de uma barreira de contenção entre uma lagoa e o aterro municipal.

O problema, entretanto, foi prontamente solucionado. A empresa terceirizada, responsável pela limpeza pública de Teresina, coordenada pela SEMDUH, agiu imediatamente e já está tudo regularizado.

Quanto ao fechamento do aterro, a SEMDUH informa que o município tem licença ambiental para o funcionamento do local e que o aterro municipal está adequado para o uso, seguindo todas as normas e regulamento, segundo os relatórios de controle.

 

Rebeca Lima
[email protected]

 

 

 

Imprimir