Cidadeverde.com
Geral

Dentista é agredida dentro de UBS e conselho critica falta de segurança

Imprimir

Foto: Divulgação / FMS

Uma dentista foi agredida nesta segunda-feira (25) com um soco na região do tórax por uma mulher que estava com uma criança de colo em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) no bairro Água Mineral, zona Norte de Teresina. 

Ao Cidadeverde.com, o advogado do Conselho Regional de Odontologia do Piauí (CRO-PI), Mariano Lopes, disse que a mulher suspeita de agressão não foi identificada porque saiu correndo e não passou pela triagem da UBS. 

Segundo o advogado, no momento da agressão, a dentista estava no setor de farmácia da unidade de saúde quando a mulher chegou. 

"A mulher chegou e perguntou onde ficava a sala de vacina. A dentista, por não ser responsável por aquele setor, não respondeu nada. Enquanto outra pessoa da sala falou. Só que a mulher em questão não gostou e xingou a dentista de cretina. Momento em que ela levantou e a perguntou do porquê daquela agressão", destacou o advogado. 

Neste momento, a mulher teria dado um soco na região do tórax da dentista e em seguida saiu correndo com a criança no colo. "Ela estava acompanhada de um rapaz que perguntou se ela estava louca e saiu correndo atrás da mulher", completou o advogado. 

Após o incidente, a dentista, que preferiu não ser identificada temendo retaliação, registrou um boletim de ocorrências na delegacia da região da Água Mineral. A mulher suspeita será acusada de lesão corporal leve. 

A dentista é concursada da Fundação Municipal de Saúde (FMS), tem 10 anos de serviço e, segundo relatou ao advogado do CRO-PI, nunca havia passado por uma situação como essa. 

À reportagem, a FMS disse que a Gerência de Saúde Bucal oriental a profissional a fazer a denúncia e que ficará afastada do serviço por tempo indeterminado. 

 

 

CRO-PI critica falta de segurança

O advogado do CRO-PI lamentou ainda o fato da mulher ter agredido a profissional de saúde e deixado a UBS sem que tivesse sido identificada. O que, segundo o advogado, mostra a vulnerabilidade que os profissionais de saúde se encontram. 

“O cro está questionando essa falta de segurança geral nas UBS. A mulher não foi identificada, não temos imagens de câmeras de segurança ou alguém que pudesse dar uma certa proteção para o profissional”, lamentou o advogado Mariano Lopes. 

 


Nataniel Lima
[email protected] 

Imprimir