Cidadeverde.com
Esporte

Cruzeiro vence Grêmio em duelo de gigantes na Série B e festeja a vice-liderança

Imprimir

No duelo entre dois gigantes do futebol nacional, pela primeira vez dentro da Série B do Campeonato Brasileiro, o Cruzeiro levou a melhor em cima do Grêmio ao vencer por 1 a 0, neste domingo à tarde, na Arena Independência. 

Foto - Divulgação - Twitter - Cruzeiro

Após seis rodadas, o time mineiro tem os mesmos 13 pontos do Bahia, que lidera por ter melhor saldo de gols: 7 a 3. O tricolor gaúcho permanece com 10 pontos, em quarto lugar, portanto, dentro do G-4.

Este jogo era aguardado com grande expectativa porque juntos eles já conquistaram seis títulos brasileiros, 11 Copa do Brasil e cinco Libertadores da América, além do título mundial dos gaúchos.

Em termos oficiais é o jogo de número 75 entre os dois rivais, com vantagem para o Cruzeiro com 31 vitórias, contra 24 do Grêmio e 20 empates.

Armado pelo técnico Paulo Pezzolano no esquema 3-5-2, o Cruzeiro liberou seus dois alas Geovane e Matheus Bidu para empurrar o Grêmio em seu campo defensivo.

Esta movimentação deu certo, tanto que o técnico Roger Machado até tentou inverter seus ponteiros e, aos gritos, pedia para que eles marcassem os avanços dos alas mineiros.

Apesar do maior volume de jogo, o Cruzeiro criou poucas chances reais para marcar seu gol. Aos 24 minutos, Matheus Bidu cobrou falta sobre a barreira e o goleiro Brenno rebateu para o lado.

Dois minutos depois, o mesmo Bidu recebeu passe de Eduardo Brock e cruzou rasteiro em direção à pequena área. 

Na disposição de cortar, Rodrigo Ferreira esticou o pé a desviou a bola contra suas próprias redes. Cruzeiro na frente: 1 a 0.

O Grêmio voltou para o segundo tempo com Gabriel Silva no lugar do volante Lucas Silva com o objetivo de sair um pouco mais. Aos 16 minutos, Elias Manoel bateu, a bola desviou em Oliveira e saiu para escanteio. Mas teria endereço certo: o gol.

Adaptados ao jogo físico da Série B, os dois times fizeram um jogo amarrado, de muita disposição e menos técnica. Mesmo perdendo, Roger Machado só soltou o Grêmio aos 32 minutos, quando entraram Campaz e Ricardinho, deixando seu time mais ofensivo. 

Como num movimento de xadrez, Pezzolano tirou Bidu para a entrada de Rafael Santos, de características mais defensivas e renovou o fôlego no ataque do Cruzeiro com a entrada de Waguininho no lugar de Edu, ídolo da torcida e que deixou o campo muito aplaudido.

Com o recuo dos mineiros, o Grêmio pressionou nos últimos minutos e só teve uma chance com Elkeson, numa virada que exigiu a melhor defesa de Rafael Cabral que caiu do lado direito e encaixou a bola aos 46 minutos.

Pela sétima rodada, o Cruzeiro vai até Recife para enfrentar o Grêmio no domingo (15), às 16h. Mas na terça-feira, em casa, vai receber o Remo pelo jogo de volta da terceira fase. Como perdeu no Pará por 2 a 1, o time mineiro precisa vencer por dois gols de diferença para garantir a vaga. 

Na segunda-feira (16), o Grêmio atuará diante do Ituano, em Itu, a partir das 20h. Como está eliminado da Copa do Brasil vai ter a semana toda livre, algo pouco comum para os grandes clubes brasileiros.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir