Cidadeverde.com
Esporte

Flamengo, Palmeiras e Corinthians goleiam rivais nas receitas comerciais

Imprimir

Patrocínio de camisa, por si só, não enche os cofres. Em um ambiente que vai além da exposição estática das marcas parceiras, Flamengo, Palmeiras e Corinthians lideraram, com distância, a lista de maiores arrecadações com as chamadas receitas comerciais em 2021. 

O trio embolsou, ao todo, R$ 570 milhões. Considerando o montante total de R$ 1,074 bilhão contabilizado pelos balanços financeiros dos principais clubes do Brasil, isso representa 53% do bolo.

Olhando para o volume de recursos gerados, as receitas comerciais representam 15% de R$ 7 bilhões arrecadados pelos clubes no ano passado -o Red Bull Bragantino não entra na conta porque não detalha a origem do dinheiro.

Essa linha é formada pela verba oriunda de patrocínios, royalties de produtos licenciados, lojas, mídias digitais, vendas de camisas, publicidade, entre outros.

Os dados compilados pela consultoria Ernst & Young (EY) apontam uma temporada na qual o Flamengo, por uma diferença pequena, ultrapassou o Palmeiras, ao mesmo tempo em que houve crescimento significativo do Corinthians em relação a 2020.

O rubro-negro fechou o ano com R$ 202 milhões de receita nesse item, enquanto o Palmeiras teve em R$ 200 milhões. Já o Corinthians atingiu R$ 168 milhões, superando com folgas os R$ 89 milhões do ano anterior.

"Talvez esse seja o lugar correto do Corinthians, próximo a Flamengo e Palmeiras, se você olhar abrangência, tamanho de torcida e, principalmente, onde está localizado. O Corinthians já deveria estar ali em termos de receitas comerciais há algum tempo.

A diferença é que o Corinthians, quando se olha para a performance esportiva, não teve títulos", comentou Gustavo Hazan, gerente da área de esportes da EY no Brasil.

O crescimento do Corinthians não é um fato isolado. O clube conseguiu ir bem numa onda de recuperação posterior ao colapso da pandemia, quando o futebol parou e vários clubes tiveram contratos de patrocínios suspensos.

Os integrantes do relatório da EY arrecadaram R$ 677 milhões com receitas comerciais em 2020, contrastando com o bilhão de 2021.

No balanço, o Corinthians separa o valor que arrecadou em R$ 126,3 milhões com patrocínios e publicidades, enquanto R$ 41,6 milhões tiveram como origem licenciamento e explorações comerciais. Em janeiro, a diretoria já tinha ressaltado o desempenho no âmbito comercial na temporada passada.

"Geramos uma receita nova muito grande de patrocínio e licenciamento, em um ano de pandemia e recessão econômica. Mesmo assim, conseguimos trazer receita nova.

Uma das grandes realizações foi uma mudança cultural, deixar de ver a empresa como uma ocupadora de espaço e ver como parceiro, que viabiliza o planejamento do clube", disse na ocasião o superintendente de marketing do Corinthians, José Colagrossi.

Esse espírito de fugir da mera exposição da marca tem sido uma tendência compreendida pelos clubes e uma necessidade muito bem aceita pelas marcas, por mais que isso demande um investimento maior por parte delas.

"Os clubes estão estruturando o chamado data lake (lago de dados). Eles sabem se uma pessoa x consome camisa tal, bilhete tal. Então os clubes começam a monetizar esse torcedor de forma correta.

O que adianta ter tantos milhões de torcedores se o clube não sabe quem ele é? Isso tudo é muito mais do que apenas colocar a publicidade na camisa", acrescentou Gustavo Hazan.

O novo universo que começou a ser explorado envolve, por exemplo, a entrada no mercado de fan tokens e ativos digitais. Esses contratos geram um valor mínimo pago aos clubes. Palmeiras e Flamengo ressaltaram esses movimentos nas notas explicativas dos balanços.

No caso rubro-negro, o clube diz ter negociado contratos de patrocínio e licenciamento com valores "mais relevantes que os anteriores". Um dos acordos envolveu a ampliação do contrato com a Adidas.

Isso ajudou a impulsionar para R$ 160 milhões a linha de publicidade e patrocínios, enquanto licenciamento e royalties trouxeram R$ 42 milhões ao clube. A comparação com os rivais do Rio expõe o quanto o Fla é dominante.

"Quando você olha para o Rio de Janeiro, o Flamengo gerou 2,5 vezes mais do que Fluminense, Botafogo e Vasco juntos", sublinha Hazan.

O Palmeiras, especificamente, tem uma parceria de longa data com a Crefisa, em uma relação que catapultou Leila Pereira à presidência do clube neste ano.

Mas o clube paulista ainda registrou na rubrica de publicidade e patrocínios o valor referente à rescisão unilateral do contrato com a Turner pelos direitos de transmissão do Brasileirão em TV fechada.

Em 2020, o Palmeiras arrecadou R$ 120,8 milhões com publicidade e patrocínio. O valor saltou para R$ 184,6 milhões em 2021, que se somaram aos R$ 14 milhões com licenciamento de produtos e franquias.

A EY contabiliza que os clubes da elite nacional geraram R$ 3,9 bilhões em receitas comerciais nos últimos cinco anos - 47% delas ficaram com Palmeiras (18%), Flamengo (16%) e Corinthians (13%).

Em 2021, os perseguidores mais próximos do trio foram Grêmio e São Paulo. Campeão brasileiro, o Atlético-MG também tenta crescer nesse item.

"O Grêmio, por exemplo, não é um clube com a mesma abrangência que Flamengo e Corinthians, não está em um estado com o mesmo Produto Interno Bruto (PIB), isso desfavorece.

Tem menos torcida, um poder de compra menor, menor capacidade de geração de receita comercial. Os clubes que têm muito a fazer, por exemplo, são Vasco e São Paulo, que estão muito lá trás", avalia Gustavo Hazan.

Fonte: UOL/FOLHAPRESS

Imprimir