Cidadeverde.com
Geral

Vídeo mostra prisão da servidora do TJ após receber propina em troca de sentença

Imprimir

Atualizada às 11h30

Um vídeo mostra o flagrante da servidora terceirizada do Tribunal de Justiça do Piauí (TJ-PI), Kelly Layane Rodrigues Ferreira Gomes, de 26 anos, que foi presa ontem, pelo Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco) suspeita de receber propina em troca de senteça. A gravação revela o momento em que a servidora é abordada em frente ao Fórum Criminal de Teresina, no bairro Cabral, zona Norte de Teresina. 

Nas imagens, é possível perceber a servidora entrando em um veículo e após alguns instantes saindo do carro com um envelope na mão.

Já observando a ação, os policiais abordam a servidora quando ela sai do veículo e a questionam sobre a origem do dinheiro. Sem responder as perguntas, a servidora é presa e conduzida à Delegacia.

Em outro vídeo, feito dentro do carro da vítima, é registrado o momento em que a vítima entrega o dinheiro para a servidora e questiona se vai ter garantia no andamento do processo. 

Foto: Divulgação/PC-PI

A Polícia Civil também divulgou um áudio da própria servidora em que ela justifica sobre o pagamento da propina. 

“Ela não faz assim dessa forma não. Porque na verdade, primeiro a pessoa tem que pagar, porque assim, se a doutra assinar, é muito fácil, a pessoa nem ajuda, entendeu? Porque como o teu processo ele é sistema virtual, tu pode muito bem só imprimir, entendeu? Como já aconteceu várias e várias vezes. Ela ter botado o processo da pessoa lá na frente e quando no final, ela ser enganada, entendeu?

De acordo com o delegado Laercio Evangelista, do Greco, mais de cinco vítimas já procuraram a polícia para também denunciar casos de propina. A Polícia Civil segue com as investigações para apurar se há mais pessoas envolvidas. 

Prisão

A prisão em flagrante, realizada no estacionamento do Fórum Cível e Criminal de Teresina após a servidora ser flagrada cobrando R$ 2 mil para agilizar sentenças na 5ª Vara da Família, foi convertida em preventiva após audiência de custória realizada nesta terça-feira (17). 

Segundo a Polícia Civil, a servidora solicitou o valor para dar prosseguimento ao trâmite processual de uma ação de separação cumulada com pensão alimentícia ajuizada em 2013.

Em nota, o Tribunal de Justiça do Piauí e Corregedoria Geral da Justiça informaram que não compactuam com condutas ilegais e que deverão tomar as providências cabíveis

Confira nota na íntegra

O Tribunal de Justiça do Piauí (TJPI) e a Corregedoria Geral da Justiça informam que não compactuam com quaisquer condutas ilegais e que, em caso de acusação contra servidor, são adotadas todas as providências legais, como a abertura de Processo Administrativo Disciplinar caso haja indícios suficientes, obedecendo a todos os preceitos legais.

 

 

Rebeca Lima 
[email protected]

 

Imprimir