Cidadeverde.com
Economia

Privatização da Eletrobras limita voto de acionistas privados

Imprimir

Foto: Arquivo/Cidadeverde.com

A oferta busca diluir a participação da União, que precisa cair de 72% para 45%, arrecadar recursos para pagar outorga ao Estado e transformar a empresa numa corporação. Nenhum acionista poderá ter mais de 10% do total das ações.

Estão previstas ofertas prioritárias para já acionistas, empregados e aposentados. Haverá espaço para operadores institucionais e pequenos investidores. Como ocorreu em outras privatizações, será possível usar metade dos recursos depositados no FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), via fundos, para participar da oferta.

PRÓXIMOS PASSOS

  • Após aprovação no TCU, bancos iniciam processo para a emissão
  • Oficializar deliberações dentro do BNDES e do governo
  • Protocolar da operação na CVM e na SEC
  • Lançar a oferta, tomando como base os resultado do primeiro trimestre de 2022; os prospectos já estão sendo atualizados
  • Promover o roadshow, como se chamam visitas a investidores para apresentação da empresa, que será mais curto porque houve um trabalho anterior e há pressa para chegar a emissão
  • Precificar o papel ("pricing")
  • Realizar a operação nas Bolsas do Brasil e Nova York na primeira semana de junho

QUEM ESTÁ NA OPERAÇÃO

  • Além do BNDES, há um sindicato composto de bancos privados atuando no mercado
  • Líderes, que apresentam a companhia:
  • Bank of America
  • BTG Pactual
  • Goldman Sachs
  • Itaú BBA
  • XP Investimentos
  • Bookrunners, que fazem reservas:
  • Bradesco BBI
  • Caixa Econômica Federal
  • Citi bAN
  • Credit Suisse
  • JP Morgan
  • Morgan Stanley
  • Safra

PRIVATIZAÇÃO

FHC (1995-2002): No governo FHC iniciou-se a tentativa de vender a Eletrobras para o setor privado. A medida sofreu resistência e não se concretizou, mas durante o seu mandato, o presidente privatizou quase todas as distribuidoras, entre elas, a Escelsa, distribuidora do Espírito Santo, a Light, do Rio de Janeiro, e a Gerasul, que atuava no sul do país

Lula (2003-2010): Além de colocar na gaveta o plano de privatizar a estatal, o governo PT freiou as vendas de distribuidoras, mas seguiu com leilões de transmissão e geração de energia. Entre as iniciativas que marcaram aquele momento estão o início dos leilões de energia eólica, em 2009, e o da Usina de Belo Monte, em 2010

Dilma (2011-2016): Em seis anos no poder, Dilma seguiu a cartilha adotada por Lula. Foram feitos leilões de linhas de transmissão e de hidrelétricas –como a Três Irmãos, em São Paulo

Temer (2016-2018): Dois meses após assumir a Presidência, Temer retoma as privatizações e limpa um dos maiores passivos da Eletrobras, vendendo distribuidoras estaduais deficitárias que esttava sob o guarda-chuva da Eletrobras. Foram seis ao todo

Bolsonaro (2019-2022): Além de trazer os planos de privatização da Eletrobras à baila novamente, Bolsonaro seguiu os passos de Temer nos leilões de distribuidoras, como os da CEB (Companhia Energética de Brasília) e da CEA (Companhia de Eletricidade do Amapá)

Folhapress

Imprimir