Cidadeverde.com
Esporte

Econômico, Grêmio bate Londrina e chega a nove jogos invicto na Série B

Imprimir

Em dia do primeiro contato de Lucas Leiva com os torcedores, o Grêmio foi econômico ao derrotar o Londrina por 1 a 0 na noite desta terça-feira, na Arena do Grêmio, pela 15ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. De quebra, segue na briga pelo G-4.

Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA 

Com o resultado, o Grêmio chegou ao nono jogo sem derrota. O time gaúcho tem 25 pontos. O Londrina, por sua vez, perdeu a oportunidade de entrar na briga pelo G-4 e ficou com 18.

Roger Machado prometeu e fez. O treinador abriu mão do terceiro zagueiro e povoou o meio de campo, tentando fortalecer o setor ofensivo. 

A tática deu certo nos minutos iniciais, tanto que o Grêmio abriu o placar aos 13. Diego Souza deixou Biel na cara do gol. O atacante tocou na saída de Matheus Nogueira para fazer 1 a 0.

Após sofrer o gol, o Londrina saiu para o jogo e chegou a colocar uma bola na trave com Caprini. A equipe paranaense começou a ter o controle do jogo e teve um gol anulado, marcado por Samuel Santos. O árbitro, com ajuda do VAR, apitou toque de mão do lateral.

O susto deixou o Grêmio nervoso na partida. Bitello e Pedro Geromel chegaram a discutir dentro de campo e quase foram para as vias de fato. No entanto, o clube gaúcho conseguiu segurar o ímpeto do Londrina e levou a vantagem para o intervalo.

No segundo tempo, o Londrina continuou em cima e teve mais um gol anulado, desta vez foi Matheus Lucas quem jogou para o gol, mas nada valeu. O lance, no entanto, gerou impaciência entre os torcedores, que começaram a reclamar a cada lance errado do time da casa.

Roger Machado e Adilson Batista mexeram, mas o jogo acabou caindo de produção. O Grêmio ficou com a posse de bola e foi administrando a vantagem. No fim, quase marcou o segundo. Elias fez grande jogada e mandou na trave.

O Londrina volta a campo no sábado, às 11h, diante do CSA, no estádio do Café, em Londrina (PR). No domingo, o Grêmio visita o Bahia, às 16h, na Arena Fonte Nova, em Salvador (BA).

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir