Cidadeverde.com
Economia

Pizza sofre com inflação do leite e preço sobe até 30% no país

Imprimir

Foto: Pixabay/fotos gratis

A pizza está até 30% mais cara para os brasileiros neste ano, e o motivo, agora, são os derivados do leite. O Dia da Pizza, celebrado em todo mundo neste domingo (10), chega com o produto pesando mais no bolso. As pizzarias afirmam que ainda não repassaram nem metade dos aumentos que enfrentam no custo da produção.

O presidente da Apubra (Associação das Pizzarias Unidas do Brasil), Gustavo Cardamoni, diz que, desde o início da pandemia, em março de 2020, o setor sofre com alta dos insumos. "Uma hora são os embutidos, outra é a farinha ou o tomate. Nos últimos dois meses, tivemos um aumento absurdo nos derivados do leite. A mozarela, que custava R$ 24, hoje passa dos R$ 50", afirma.

Os lácteos representam 50% da compra de insumos de uma pizzaria. Entre março de 2020 e março de 2022, o custo de produção do leite subiu 64%, segundo estimativa da Embrapa Gado de Leite, principalmente por causa da alta das cotações da soja e do milho, muito usados nas rações animais.

Embora os recheios variem de acordo com a região do país, o queijo é quase uma unanimidade. Segundo Cardamoni, em algumas cidades, o item está presente até nas pizzas doces.

Na conta das pizzarias estão ainda a alta dos aluguéis, da energia elétrica e do gás. No custo fixo, entra também a embalagem de papelão, que subiu 80% em dois anos.

Para conter os gastos, proprietários estão diminuindo as opções do cardápio e evitando promoções. Como consequência dos constantes reajustes nos valores, até folhetos distribuídos mudaram e não trazem mais os preços das pizzas. A estratégia também é usada no cardápio de alguns estabelecimentos.

"Nunca vimos uma inflação dessa. Tínhamos picos sazonais. Na época do frio, sempre tinha uma inflação de 10% nos lácteos. Agora, é sistêmica. Nesses últimos meses, tudo praticamente dobrou", diz Gabriel Concon, CEO da Pizza Prime, que acaba de criar uma área de inteligência na empresa para enfrentar o novo cenário econômico.

"Além da inflação, tem produto que você não encontra mais para comprar. Antes, trabalhávamos com duas opções de marca, agora, precisamos ter cinco", afirma Concon.

Alex Agostini, economista-chefe da Austin Rating, calculou um Índice Pizza a pedido da Folha. O cálculo considera o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) de janeiro de 2020 a julho de 2022 e os principais ingredientes da pizza de mozarela. "O preço disparou. Só nos últimos 12 meses, houve alta de 34,7%", afirma Agostini.

Gustavo Cardamoni diz que todas as pizzarias estão trabalhando abaixo da sua margem de lucro habitual e alerta que o setor ainda paga empréstimos adquiridos durante a pandemia. "Muitas pizzarias estão pagando essas parcelas, estão endividadas em meio a toda alta de custos. Tem muitas pagando para trabalhar, e outras, sendo colocadas à venda."

No país que produz mais de 4 milhões de pizzas por dia, a frequência de pedidos diminuiu, reflexo também da queda no poder de renda do brasileiro. O número de pedidos na semana e o valor destinado à pizza sobem de acordo com a renda familiar.

Segundo Rodolfo Ribeiro, um dos responsáveis pelo Índice Mozarela, a cada R$ 1.000 a mais de renda familiar (medida pelo bairro de origem do indivíduo), a disposição de pagamento cresce R$ 2,62. Ou seja, pela mesma pizza, indivíduos de rendas familiares "precificam" o produto com uma diferença de mais de R$ 10.

"Se repassarmos todos os custos, não vendemos. Mas, só neste ano, estou indo para o quarto reajuste de preços, e precisei reduzir a equipe. Eu mesmo faço algumas entregas", conta o dono de uma pizzaria na Vila Leopoldina (zona oeste) Daniel Kusters.

Segundo a Apubra, cerca de 112 mil CNPJs de pizzarias estão ativos atualmente no Brasil. Mais de 54,4% deles são MEIs (Microempreendedores Individuais). Cardamoni diz que há ainda centenas abertas na informalidade.

São Paulo permanece o estado brasileiro que mais consome pizza e está entre os líderes mundiais. São aproximadamente 26.160 pizzarias no estado, de acordo com a Apubra. O segundo lugar em número de pizzarias é ocupado pelo Rio de Janeiro (9.739), seguido de Minas Gerais (7.668), Bahia (5.281) e Paraná (4.689).

O Dia da Pizza é comemorado em 10 de julho no Brasil desde 1985 por ordem do então secretário de turismo Caio Luiz de Carvalho, após a realização de um concurso em São Paulo para eleger as dez melhores receitas de mozarela e marguerita.
 

Fonte: Folhapress/Ana Paula Branco

Imprimir